PUBLICIDADE

FOCUS 2-Mercado vê inflação mais alta em 2013 e crescimento menor

Por Camila Moreira
Atualização:

O mercado elevou pela quarta semana seguida sua projeção para os preços neste ano, ao mesmo tempo em que reduziu a perspectiva de crescimento e manteve a projeção da Selic em 7,25 por cento até o final de 2013. A deterioração das expectativas ocorre em um cenário de preocupação com a inflação neste ano, reforçado pelo Banco Central na semana passada através da ata do Comitê de Política Monetária (Copom). De acordo com a pesquisa Focus do BC divulgada nesta segunda-feira, os analistas consultados agora estimam a alta do IPCA em 5,67 por cento neste ano, ante 5,65 por cento na projeção anterior. Para 2014, a projeção foi mantida em 5,50 por cento. Na semana passada, via ata do Copom, o BC piorou a perspectiva para inflação neste ano ao reforçar os riscos para os preços no curto prazo e sustentou que trabalha para a convergência à meta no momento adequado. O tom do documento levantou críticas, com o mercado avaliando que o BC já não busca levar a inflação para o centro da meta neste ano --de 4,5 por cento pelo IPCA--, uma vez que não indica mudança na condução da política monetária. SELIC ESTÁVEL Em relação à expansão da atividade doméstica, o Focus mostrou nova redução na projeção, também pela quarta semana seguida. O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano foi agora estimado em 3,10 por cento, ante 3,19 por cento na semana anterior. Para 2014 a perspectiva de uma leve aceleração melhorou para 3,65 por cento, ante 3,60 por cento vistos anteriormente. Na última reunião, o Copom decidiu pela segunda vez seguida manter a Selic em sua mínima recorde de 7,25 por cento, citando piora da inflação no curto prazo mas, ao mesmo tempo, com recuperação da atividade econômica mais lenta do que o esperado e cenário internacional ainda complexo. Os analistas consultados no Focus repetiram a projeção de manutenção da Selic ao longo deste ano. Para 2014, também ficou inalterada a percepção de uma elevação da taxa básica de juros a 8,25 por cento. Mas, apesar de o BC reafirmar que a Selic será mantida por tempo "suficientemente prolongado", já começam a surgir expectativas de uma alta na taxa no final deste ano por conta da pressão inflacionária, inclusive com aumento das apostas no mercado futuro de juros. O mercado também reduziu ligeiramente a previsão para o dólar para o fim deste ano a 2,07 reais, ante 2,08 reais.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.