PUBLICIDADE

Ganhador do Nobel alerta sobre falsas 'terapias com células-tronco'

Por TAN EE LYN
Atualização:

O ganhador do Nobel de Medicina de 2012 Shinya Yamanaka alertou pacientes, nesta terça-feira, sobre as "terapias com células-tronco" não comprovadas oferecidas em clínicas e hospitais em vários países, afirmando que são altamente arriscadas. A internet está repleta de propagandas que prometam curas com células-tronco para qualquer doença-- incluindo diabetes, esclerose múltipla, artrite, problemas de vista, Alzheimer, Parkinson e até lesões na coluna vertebral-- em países como China, México, índia, Turquia e Rússia. Yamanaka, que compartilhou o Prêmio Nobel de Medicina anunciado na segunda-feira com John Gurdon, do Instituto Gurdon, de Cambridge, na Grã-Bretanha, pediu precaução. "Este tipo de prática é um problema enorme, é uma ameaça. Muitas das chamadas terapias com células-tronco estão sendo conduzidas sem nenhum dado usando animais, com checagens pré-clínicas de segurança", disse Yamanaka, da Universidade de Kyoto, no Japão. "Os pacientes devem entender que se não houver dados pré-clínicos sobre a eficiência e segurança do procedimento que ele ou ela esteja submetido... pode ser muito perigoso", disse o pesquisar à Reuters durante uma entrevista por telefone. Yamanaka e Gurdon compartilharam o Prêmio Nobel de Medicina pela descoberta de que células adultas podem ser reprogramadas para voltarem a ser células-tronco, as quais, por sua vez, podem se transformar em qualquer tipo de tecido do organismo. "Espero que pacientes e pessoas leigas entendam que há dois tipos de terapias com células-tronco. Uma é a que estamos tentando estabelecer. É unicamente baseada em dados científicos. Nós temos conduzido trabalhos pré-clínicos, experimentos com animais, como ratos e macacos", afirmou o cientista. Yamanaka, que chamou as células-tronco que ele criou de "células-tronco pluripotentes induzidas" (iPS), espera ver os primeiros testes clínicos em seres humanos em breve. "Há muitas pesquisas promissoras acontecendo", disse.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.