PUBLICIDADE

Itamaraty tentou liberação de pesquisadora em Madri

Comissão convocou a audiência para discutir os recentes casos de brasileiros que foram repatriados na Espanha

Por Milton da Rocha Filho
Atualização:

Na reunião desta quarta-feira, 12, da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, para tratar da questão do repatriamento de brasileiros por parte do governo Espanhol, o diretor do Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior do Ministério das Relações Exteriores, Eduardo Gradilone, afirmou que o consulado brasileiro na Espanha não prestou assistência imediata à pesquisadora Patrícia Magalhães, barrada no aeroporto de Madri, e informou que o consulado negociou a liberação da pesquisadora com as autoridades espanholas, mas sem sucesso.   VEJA TAMBÉM PF barra 30 estrangeiros em cinco dias Saiba como agir se for barrado em aeroporto Policiais espanhóis chamaram brasileiros de 'cachorros', diz mãe Brasil ameaça restringir entrada de espanhóis no País Brasil deve adotar medidas contra espanhóis? Gradilone explicou que o direito internacional não dá margem a uma defesa mais objetiva dos direitos das pessoas em entrar em território estrangeiro. Ele lembrou que, mesmo com documentos e um visto, um agente da imigração pode barrar a entrada de uma pessoa em seu país. O Itamaraty recebeu um documento do governo espanhol relatando os documentos que não teriam sido apresentados por Patrícia Magalhães. Gradilone explicou que se trata de um relatório usual, que não corresponde aos relatos feitos por brasileiros sobre rudeza e desconsideração por parte de autoridades de imigração na Espanha, especialmente no aeroporto de Barajas, em Madri, informou a Agência Câmara. No caso de Patrícia, que desembarcou em Madri e seguiria para um congresso científico em Lisboa (Portugal), as autoridades espanholas rejeitaram a sua entrada e a mandaram de volta ao Brasil. A Comissão de Relações Exteriores convocou a audiência para discutir os recentes casos de brasileiros que foram repatriados ao desembarcar na Espanha.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.