PUBLICIDADE

Manifestantes pedem justiça em Santa Maria-RS

Por Elder Ogliari
Atualização:

Centenas de manifestantes foram às ruas de Santa Maria nesta terça-feira para pedir a responsabilização de todos os envolvidos com a tragédia que matou 235 pessoas na boate Kiss na madrugada de domingo. Os participantes do protesto, na maioria jovens e colegas das vítimas, se reuniram diante do prédio da Câmara de Vereadores e caminharam pelas ruas centrais da cidade, passando pela delegacia regional da Polícia Civil e prefeitura, para, no final, colar cartazes e depositar flores diante da casa noturna, num percurso de dez quadras. "Queremos justiça", foi o grito mais comum.O momento mais ruidoso da manifestação ocorreu diante da prefeitura. Os jovens chegaram a gritar "Schirmer na cadeia", num protesto direto contra o recém-reeleito prefeito Cezar Schirmer (PMDB), a quem acusam de responsável pela suposta omissão do Poder Público diante da obrigação de fiscalizar e exigir adequação das casas noturnas às normas legais.Uma parte dos manifestantes prosseguiu para o endereço da boate, onde depositou faixas e colou cartazes. Um deles, deixado por um anônimo entre as flores que tomaram conta da calçada, comparava a situação com a vivida pelos argentinos em tragédia semelhante, há poucos anos. "Na Argentina, país que nosso senso comum e ignorância tanto odeiam, os fiscais foram presos e o prefeito destituído", afirmou. Outras frases deixadas no local diziam "Ganância deles fez massacre", "Governador e prefeito omissos" e "Estamos orando por vocês", esta referindo-se às vítimas.Dois participantes da manifestação, os acadêmicos Victor Machado Neto, 24 anos, e Camila Parigi, 22 anos, disseram que a apuração dos fatos já mostrou que "várias irresponsabilidades geraram a tragédia" e pediram que as autoridades assumam a parte delas, como a falta de fiscalização adequada das casas noturnas. "Também queremos que o prédio (da boate) seja desapropriado para a construção de um memorial em homenagem às vítimas", ressaltaram.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.