PUBLICIDADE

Mercadante minimiza número de redações inválidas do Enem

Por Rafael Moraes Moura
Atualização:

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, minimizou o crescimento no número de redações inválidas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). De 2009 - ano em que o Enem ganhou status de vestibular - a 2011, houve um aumento de 168% nos textos anulados, contra um crescimento de 59% no número de redações corrigidas. "Temos de pensar o universo do Enem, o Enem vem crescendo de forma extraordinária. Essas redações que foram anuladas representam muito pouco", disse o ministro a jornalistas. Em 2011, as redações anuladas representaram 2,5% do total de provas. Segundo especialistas, os dados mantêm relação com mudanças nas regras de correção, com as diferentes propostas de redação a cada edição e também com o perfil dos inscritos.O MEC promete mais rigor na correção das redações neste ano, ao diminuir a discrepância máxima de 300 para 200 pontos entre os dois corretores que analisam os textos. Para ajudar na preparação dos candidatos, a pasta também elaborou um guia para orientar os estudantes com esclarecimentos sobre os critérios de avaliação."Aqueles que estão estudando sob essa orientação vão ter um excelente desempenho. A redação é importante, o domínio da língua, capacidade de organizar argumentos é fundamental pra vida profissional, pra universidade e isso vai ser avaliado", disse o ministro, enfatizando que o "critério de avaliação é igual para todos" . Todas as redações inválidas recebem nota zero. De acordo com o guia de redação do Enem 2012, uma redação receberá zero se apresentar fuga total ao tema; texto com até sete linhas; impropérios, desenhos ou outras formas propositais de anulação; desrespeito aos direitos humanos; não obedecer à estrutura dissertativo-argumentativa. Neste Enem, os estudantes terão acesso às redações corrigidas apenas para fins pedagógicos, conforme Termo de Ajustamento de Conduta firmado com o Ministério Público Federal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.