Obras de arte e videntes: Mulher acusada de golpe de R$ 720 milhões contra mãe é solta no Rio

Sabine Boghici não pode se aproximar da mãe, entre outras medidas; caso envolve quadros de Tarsila do Amaral e Di Cavalcanti

PUBLICIDADE

Foto do author Marcio Dolzan
Por Marcio Dolzan

RIO - A Justiça do Rio concedeu liberdade provisória a Sabine Boghici, presa em agosto no ano passado após ser acusada de participação em um golpe milionário contra a própria mãe. Na ocasião, ela e mais cinco pessoas, incluindo suspeitas que se diziam videntes, foram alvo de uma operação da Polícia que apurou desvios de dinheiro e de obras de arte estimados em mais de R$ 720 milhões.

PUBLICIDADE

A decisão é do juiz Guilherme Schilling Pollo Duarte, da 23ª Vara Criminal. O magistrado considerou que Sabine não é “pessoa de alto grau de periculosidade”. Entre os crimes pelo quais ela e os demais acusados respondem estão estelionato, extorsão, roubo majorado, sequestro e cárcere privado – todos eles considerados “crimes continuados”, alguns por até 40 vezes.

Sabine havia sido presa em agosto do ano passado e teve a preventiva confirmada no mês seguinte. A decisão que concede liberdade provisória é de terça-feira, 14. A atriz terá que cumprir medidas cautelares. Elas incluem comparecimento mensal em juízo, proibição de deixar o Rio por mais de dez dias e de manter contato com a vítima e demais testemunhas. Ela também está proibida de se aproximar da mãe – deverá manter distância de pelo menos 500 metros – e terá de entregar o passaporte.

Sol Nascente, de Tarsila do Amaral, foi um dos quadros desviados. Foto: Deapti/Divulgação

Outra envolvida no caso, Rosa Stanesco Nicolau – uma das falsas videntes – teve a liberdade provisória negada pela Justiça. Segundo o juiz, Rosa “ostenta várias outras anotações (criminais), demonstrando possuir habitualidade em cometer crimes, razão pela qual sua custódia cautelar se mostra necessária como garantia da ordem pública, evitando-se a reiteração delituosa”.

A operação que levou Sabine e os demais à prisão foi realizada pela Polícia Civil em 10 de agosto do ano passado. Sabine foi acusada de subtrair 16 obras de arte da própria mãe, que incluíam peças de Tarsila do Amaral e Di Cavalcanti. Só um dos quadros, Sol Poente, de Tarsila, foi avaliado em R$ 250 milhões.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.