Parte de prédio desaba no Ceará e moradores deixam local às pressas; veja vídeo

Vizinhos avisaram às 16 famílias que vivem no edifício sobre ruídos; não houve feridos e mais 12 imóveis foram evacuados

PUBLICIDADE

Por Pedro Vasconcelos
Atualização:

FORTALEZA - Dezesseis famílias deixaram o prédio onde vivem no bairro Maraponga, em Fortaleza, pouco antes do desabamento parcial do imóvel na tarde de anteontem. Os moradores foram alertados por vizinhos, que escutaram ruídos e viram as rachaduras na base do edifício. Ninguém ficou ferido. 

Moradores saíram logo antes de estrutura ruir Foto: JULIO CESAR/O POVO

PUBLICIDADE

“Todo mundo ouviu e começou a jogar pedras nas janelas, para que as pessoas saíssem”, conta a autônoma Priscila Eugênio, de 29 anos. “Saiu criança aí de dentro. Saiu mulher só com um lençol, porque não teve como vestir a roupa. Todo mundo veio do jeito que estava, gritando”, afirma ela.

Vídeo gravado por um dos vizinhos mostra o momento exato em que parte do edifício desmorona, soterrando o estacionamento e o primeiro andar. De acordo com testemunhas, isso ocorreu logo depois da saída dos últimos moradores. “Se fosse de noite, todo mundo tinha morrido”, diz Priscila.

Ainda no sábado, a área do prédio foi interditada e os moradores, encaminhados para as casas de parentes. Por segurança, outros doze imóveis próximos também foram esvaziados, segundo o Corpo de Bombeiros do Ceará. Ontem, a equipe de resgate ainda salvou um cachorro e pássaros dos moradores, que haviam ficado dentro dos apartamentos. 

Após o afundamento das pilastras de sustentação, o prédio ficou inclinado e o risco de desabamento total, conforme o Corpo de Bombeiros, é considerável. É necessária, no entanto, uma avaliação mais detalhada da perícia, prevista para começar hoje, para decidir o que fazer com a estrutura.

Em nota, a Defesa Civil de Fortaleza informou que esteve no edifício duas vezes antes do incidente e, ao constatar os riscos, orientou os condôminos a procurar um engenheiro. 

Apreensão

Publicidade

Quem mora perto do edifício está receoso. A representante comercial Noemi Martins, de 50 anos, que mora em frente ao prédio, acredita que a estrutura tem cedido aos poucos desde sábado. O medo agora é de que um novo desabamento comprometa a própria casa: “A gente está vivendo um terror. Ninguém come nem dorme. Ninguém tem sossego”. 

A avaliação é a mesma da guarda-municipal Marta Candea, de 55 anos, cuja residência fica a cerca de 50 metros do edifício em risco. “Se for um efeito dominó, vai cair tudo em cima da minha casa”, afirma.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.