PUBLICIDADE

Policiais acusados de extorsão são presos em Salvador

Para sindicato, prisão de policiais é apenas uma tentativa de enfraquecer assembléia da categoria

Por Tiago Décimo
Atualização:

A Polícia Civil prendeu na segunda-feira, 24, cinco policiais acusados de extorquir um empresário do ramo de reciclagem de materiais para não apreender os produtos que ele tinha em seu galpão, que alegavam ter procedência ilegal, e para não prendê-lo por receptação de mercadoria ilegal. O agente Josemário Antônio dos Santos Rodrigues, o comissário Valter Santana Santos, o detetive Antônio Gonçalves Mendes Filho, o inspetor Eduardo Jorge Mendonça Nascimento e o sargento da PM Egídio José Brandão foram presos em flagrante, por extorsão e formação de quadrilha, acusados de cobrar R$ 70 mil, em dinheiro, do empresário. Segundo o secretário da Segurança Pública da Bahia, César Nunes, a denúncia contra os policiais foi feita pelo próprio empresário, que negou a procedência ilícita dos materiais que comercializava. De acordo com Nunes, quando os policiais chegaram ao galpão do empresário, um caminhão e um guincho já estavam sendo usados para tirar as mercadorias do local. "Existe a suspeita de que haja mais pessoas envolvidas na extorsão", afirma. "Estamos checando também se há mais empresários que foram vítimas do grupo." Segundo os (oito) advogados dos acusados, porém, a história é outra. "Havia dois policiais no lugar, que estavam fazendo uma intermediação de dívida entre o empresário e um fornecedor de material conhecido deles", afirma um dos defensores, Antonio Glorisman. O diretor-geral do Sindicato dos Policiais Civis (Sindpoc), Crispiniano Daltro, vai além: afirma que as prisões não passam de uma tentativa para enfraquecer a categoria, que faz assembléia, nesta terça-feira, 25, para deliberar sobre reajuste salarial. Membros do Sindpoc chegaram a especular que o empresário que denunciou os acusados é amigo do secretário César Nunes - que negou conhecê-lo.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.