PUBLICIDADE

Quatro têm prisão decretada após incêndio na Kiss

Por Luciana Nunes Leal e TÁSSIA KASTNER E LUCI RIBEIRO
Atualização:

O pedido de prisão preventiva de quatro pessoas em decorrência do incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, - dois músicos da banda Gurizada Fandangueira, que se apresentava no momento em que o fogo começou e que usou durante sua apresentação efeitos de pirotecnia, além de dois proprietários da Kiss -, foi feito, segundo a delegada Luiza Santos Sousa, após alguns depoimentos e também porque houve indícios de que essas pessoas pudessem obstruir a investigação. Segundo ela, cerca de 20 pessoas foram ouvidas durante o domingo (27).A polícia civil estranhou a ausência de um circuito fechado de câmeras. Em depoimento, no entanto, um dos proprietários da boate teria dito que o sistema de câmeras foi retirado do local para conserto, há três meses. Das quatro pessoas que tiveram a prisão preventiva decretada, três já estão detidas. A quarta deve se apresentar nesta segunda-feira à tarde, informou a delegada. A polícia civil não informou, no entanto, o nome dos detidos.MilitaresDois militares do Rio de Janeiro estão entre os mortos no incêndio na Kiss. Em nota distribuída na manhã desta segunda-feira, o Comando Militar do Leste (CML) confirma as mortes da capitã médica Daniele Dias de Mattos, lotada no Hospital Central do Exército (HCE), que estava em férias na cidade gaúcha desde o início de janeiro, e do tenente Leonardo Machado de Lacerda, que tinha sido transferido para o 1º Regimento de Carros de Combate, em Santa Maria. Segundo o CML, os corpos estão em Porto Alegre e serão transportados para o Rio de Janeiro.Tarso GenroDurante coletiva de imprensa nesta segunda-feira, em Santa Maria, na 1ª delegacia de polícia, o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, pediu que inquérito para apurar as causas e apontar os culpados pelo incêndio na boate Kiss seja exemplar e defendeu mudanças na legislação. "Nós queremos que esse inquérito seja exemplar e que dele possam decorrer ideias de modificações legislativas, para que coisas como essa nunca mais aconteçam", disse. Tarso disse que, da parte do executivo do Estado, não faltará "nenhum centavo, nenhum papel" para tomar as iniciativas necessárias que impeçam que um fato trágico como este possa se repetir.Celso AmorimO ministro da Defesa, Celso Amorim, informou que as Forças Armadas estão à disposição para ajudar as famílias das vítimas do incêndio na Kiss. Por meio de nota, Amorim se solidarizou "aos familiares e amigos das vítimas, entre as quais se contam militares do Exército e da Força Aérea Brasileira, além de dependentes".D

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.