PUBLICIDADE

Romney diz que não vai buscar novas leis contra aborto

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, Mitt Romney, em uma aparente movimentação política mais ao centro, disse na terça-feira que se for eleito não vai buscar a implantação de legislação específica contra o aborto. "Não há legislação com relação ao aborto com a qual eu esteja familiar que se tornaria parte da minha agenda", disse Romney ao conselho editorial do jornal Des Moines Register, durante uma visita de campanha a Van Meter, no Estado de Iowa. Os comentários de Romney podem ser interpretados como reconfortantes para algumas eleitoras mulheres que tinham reservas sobre a candidatura do republicano. Nas últimas semanas, Romney tem dado alguns passos em direção ao centro no espectro político, à medida que tenta atrair eleitores independentes antes da votação do dia 6 de novembro. Alguns conservadores gostariam de uma legislação voltada para limitar os abortos, que foram legalizados pela Suprema Corte norte-americana na histórica disputa judicial de Roe contra Wade, em 1973. Reagindo aos comentários de Romney, a campanha do presidente Barack Obama criticou fortemente o republicano, dizendo que ele havia prometido nomear juízes para a Suprema Corte que anulariam o caso de 1973. "É perturbador que Mitt Romney esteja tão disposto a brincar de política com questões tão importantes", afirmou a porta-voz da campanha de Obama, Lis Smith. Romney disse ao jornal que emitiria uma ordem executiva para proibir novamente o uso do dinheiro público para ajuda internacional dos EUA que está sendo usado para pagar por abortos em países que recebem esta assistência. A porta-voz de Romney, Andrea Saul, ao ser solicitada a comentar as declarações do candidato, disse que o republicano é "orgulhosamente a favor da vida, e ele será um presidente a favor da vida". (Reportagem de Steve Holland)

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.