‘Duna’: verme de areia habitou a Terra por mais tempo do que se pensava

Pesquisadores examinaram fósseis do verme predador e encontraram uma nova espécie que persistiu por 25 milhões de anos depois de se acreditar que estava extinta

PUBLICIDADE

Por Jack Tamisiea
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - Com uma cabeça coberta por filas de espinhos curvos, os antigos vermes Selkirkia poderiam ser facilmente confundidos com os vermes de areia com dentes de navalha que habitam os desertos de Arrakis, no filme “Duna: Parte Dois”.

PUBLICIDADE

Durante a Explosão Cambriana, há mais de 500 milhões de anos, estes estranhos vermes – que viviam dentro de longos tubos em forma de cone – eram alguns dos predadores mais comuns no fundo do mar.

“Se fossemos um pequeno invertebrado e os encontrássemos, seria o nosso pior pesadelo”, disse Karma Nanglu, paleontólogo da Universidade de Harvard. “É como ser engolido por um tapete rolante de presas e dentes”.

Pesquisadores encontraram fósseis de uma nova espécie de verme predador que viveu há 480 milhões de anos, parte de um grupo que se pensava ter morrido no final da Explosão Cambriana, 25 milhões de anos antes  Foto: Javier Ortega Hernández

Para a felicidade dos aspirantes a colhedores de especiarias, estes vermes vorazes desapareceram há centenas de milhões de anos. Mas um tesouro de fósseis recentemente analisado no Marrocos revela que estes predadores, que mediam apenas 1 ou 2 centímetros de comprimento, persistiram por muito mais tempo do que se pensava.

Em um artigo publicado na terça-feira, 26, na revista científica Biology Letters, a equipe de Nanglu descreveu uma nova espécie de verme Selkirkia que viveu 25 milhões de anos depois de se pensar que este grupo estava extinto.

Os vermes tubulares recentemente descritos foram descobertos quando Nanglu e os seus colegas vasculharam fósseis armazenados na coleção do Museu de Zoologia Comparada de Harvard. Eles provêm da Formação Fezouata, no Marrocos, um depósito que remonta ao período Ordovícico Inicial, que começou há cerca de 488 milhões de anos e se estendeu por quase 45 milhões de anos.

Transição ecológica

O período Ordovícico Inicial foi uma era dinâmica em que os remanescentes do Cambriano conviveram com os recém-chegados evolucionários, como os escorpiões marinhos e os caranguejos-ferradura.

Publicidade

A Formação de Fezouata oferece um retrato pormenorizado dessa transição ecológica. O local é bem conhecido pelos restos de criaturas marinhas como as trilobites, que são frequentemente preservadas em tons ferrugentos de vermelho e laranja.

Ilustração de Paraselkirkia, um verme pré-histórico intimamente relacionado com Selkirkia Foto: Christian McCall

Algumas das criaturas preservadas mantêm até características delicadas de tecidos moles que raramente fossilizam. A maior parte da investigação sobre os fósseis de Fezouata centrou-se nestes achados notáveis, ignorando a grande quantidade daquilo a que Nanglu chama de “fósseis secundários” – os restos e fragmentos menores contidos nas rochas de Fezouata.

Enquanto a equipe de Harvard vasculhava os espécimes do museu, reparou em vários fósseis de tubos afunilados e tons ferozes que pareciam cones de sorvete alongados. As texturas aneladas destes tubos, que mediam apenas 1 polegada de comprimento, eram quase idênticas às dos fósseis de Selkirkia de depósitos cambrianos muito mais antigos, como o Xisto de Burgess, localizado no Canadá.

“Não esperamos que este tipo continue a existir”, disse Nanglu.

Uma análise mais detalhada confirmou que os tubos pertenciam a uma nova espécie de verme Selkirkia. Deram ao novo animal o nome de espécie Tsering, que vem da palavra tibetana para “vida longa”.

Vermes viveram próximo ao polo Sul

A nova espécie não só alarga o registo temporal dos vermes Selkirkia, como também confirma que estes viviam em ambientes mais próximos do polo Sul, onde se situava o Marrocos durante o período Ordovícico.

De acordo com Jean-Bernard Caron, paleontólogo do Royal Ontario Museum, em Toronto, que não participou no novo estudo, esta descoberta mostra que algumas criaturas do Cambriano foram capazes de persistir mesmo quando a diversidade explodiu na era Ordovícica.

Publicidade

“Este novo estudo vem para agregar a um conjunto crescente de provas de que muitos membros das comunidades cambrianas continuaram a prosperar durante o período ordovícico seguinte e não foram rapidamente substituídos, como os modelos evolutivos anteriores poderiam ter sugerido”, afirmou.

Segundo Caron, a morfologia do novo verme “parece notavelmente inalterada em comparação com o seu homólogo do Cambriano”. Isto sugere que os vermes Selkirkia sofreram poucas alterações evolutivas ao longo dos 40 milhões de anos que passaram a devorar outros habitantes do fundo do mar.

Mas a forma tubular do seu corpo acabou por sair do estilo evolutivo entre os vermes intimamente relacionados, que são conhecidos como priapulídeos, ou vermes em forma de pênis. Atualmente, apenas um tipo de priapulídeo reside num tubo e o constrói a partir de aglomerados de detritos vegetais, em vez de segregar o material do seu próprio corpo, como faziam os vermes Selkirkia.

Nanglu acredita que a formação desse tubo era uma forte defesa durante o Cambriano, quando havia menos predadores de grande porte rondando as águas abertas. Mas à medida que os predadores que nadavam livremente proliferaram durante o Ordoviciano, os tubos rígidos podem ter acabado por tornar estes vermes alvos mais susceptíveis.

Como resultado, eles podem ter abandonado os seus tubos e adotado modos de fuga mais ativos, como a escavação.

Embora os custos ecológicos da produção destes tubos tenham provavelmente afetado os vermes Selkirkia a longo prazo, a nova descoberta prova que eles conseguiram se manter por mais tempo do que muitas das maravilhas bizarras do Cambriano.

Para Nanglu, a sua presença também sugere que, por vezes, a realidade é mais estranha do que a ficção, mesmo quando se trata de sósias das telonas.

Publicidade

“É como se o verme de areia de Duna estivesse construindo uma casa gigantesca à sua volta”, disse Nanglu. “Por mais selvagem que seja a coisa que se vê no cinema, garanto que há algo na natureza, mesmo que esteja extinto há muito tempo, que é muito mais selvagem.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.