PUBLICIDADE

Fragmentos de asteroide de origem misteriosa intrigam cientistas

Primeiras análises do material revelam ser um aubrite, uma classe com origens desconhecidas que parte dos pesquisadores acredita serem pedaços do planeta Mercúrio

Por Jonathan O’Callaghan
Atualização:

Cientistas encontraram pedaços de um meteorito que caiu nos arredores de Berlim, na Alemanha, pouco depois da meia-noite do dia 21 de janeiro deste ano. Trata-se de uma descoberta rara, proveniente de um asteroide que foi identificado mesmo antes de entrar na atmosfera da Terra. Acontecimentos semelhantes no passado permitiram aos astrônomos determinar a origem de uma rocha no Sistema Solar.

As primeiras análises dos fragmentos revelaram algo igualmente raro. O meteorito é um aubrite, uma classe com origens desconhecidas que alguns cientistas acreditam ser pedaços do planeta Mercúrio. São tão raros que constituíam apenas 80 dos cerca de 70 mil meteoritos que foram recolhidos na Terra antes do evento registrado no mês passado.

Cientistas encontraram pedaços de um meteorito que caiu perto de Berlim, pouco depois da meia-noite do dia 21 de janeiro de 2024. Foto: Reprodução/Instagram/setiinstitute

PUBLICIDADE

“É realmente emocionante”, disse Sara Russell, especialista em meteoritos do Museu de História Natural de Londres. “Há muito, muito poucos aubrites.”

O asteroide que se tornou o meteorito (ou melhor, fragmentos de meteorito) foi inicialmente detectado por Krisztián Sárneczky, astrônomo húngaro, três horas antes de atingir a atmosfera terrestre.

Uma rede de câmeras seguiu a queda da rocha, 2024 BX1, perto de Ribbeck, uma aldeia nos arredores de Berlim. As estimativas sugerem que a rocha era minúscula, com menos de um metro de tamanho. Mesmo assim, produziu um clarão brilhante que as câmeras de muitas partes da Europa captaram.

Assim que ouviu a notícia da queda do meteorito, Peter Jenniskens, astrônomo do Instituto SETI na Califórnia, nos Estados Unidos, comprou um bilhete de avião e se dirigiu até o local.

Durante uma escala de nove horas em Newark, em Nova Jersey, Jenniskens calculou onde poderiam ser encontrados pedaços do meteorito para que, quando aterrissasse, ele e alguns estudantes e voluntários pudessem começar imediatamente a procurar fragmentos.

Publicidade

Durante dias, percorreram os campos à volta de Ribbeck. “Não encontramos nada”, disse.

Fotografia de possíveis fragmentos de asteroide encontrados perto de Berlim, na Alemanha. Foto: Museu de História Natural de Berlim/EFE

No entanto, no dia 25 de janeiro, uma equipe polonesa de caçadores de meteoritos anunciou que tinha encontrado o primeiro fragmento do meteorito. “Eles podiam nos mostrar o que procurar”, disse Jenniskens.

Os meteoritos não eram negros, como se esperava da passagem pela atmosfera, mas sim claros, como as rochas terrestres.

Com essa informação, em apenas duas horas, um membro da equipe de Jenniskens, o estudante da Freie Universität Berlin Dominik Dieter, encontrou um meteorito no topo do solo. Rapidamente foram detectados mais. “Foi incrível”, disse ele. “Encontramos mais de 20 fragmentos.”

Pesquisadores do Museu de História Natural de Berlim analisaram os minerais dos fragmentos com uma microssonda eletrônica. Isso revelou que as rochas pareciam ser aubrites. Foi a primeira vez que este tipo de meteoritos foi recolhido numa queda localizada.

A origem dos aubrites, cujo nome deriva da cidade francesa de Aubres, perto do local onde foram encontrados pela primeira vez, permanece misteriosa, uma vez que a sua composição não corresponde a outras fontes conhecidas de meteoritos no Sistema Solar. Algumas análises sugerem que são fragmentos do planeta Mercúrio, mas nem todos os cientistas apoiam essa história de origem.

Se os aubrites vieram diretamente de Mercúrio, o 2024 BX1 deveria ter tido origem no interior do Sistema Solar. No entanto, seguindo o seu trajeto, parece que a órbita inicial do asteroide era muito mais larga e fora da órbita da Terra.

Publicidade

“Por isso, este objeto não pode ter vindo até nós diretamente de Mercúrio”, disse Marc Fries, cientista planetário do Centro Espacial Johnson da Agência Espacial dos Estados Unidos (Nasa).

É possível, no entanto, que os aubrites tenham sido ejetados de Mercúrio há muito tempo para a cintura de asteroides entre Marte e Júpiter, formando um grupo chamado asteroides do tipo E. A órbita do 2024 BX1 não exclui completamente esta ideia, embora Fries continue cético.

“Qualquer que seja a origem, os fragmentos do asteroide se revelam cientificamente fascinantes. Tenho certeza que será uma prioridade descobrir qual a sua composição e como se compara com outros meteoritos”, disse Russell.

Seguir asteroides tão pequenos como este antes de atingirem a atmosfera da Terra é também crucial para defender o planeta desses corpos celestes. Davide Farnocchia, do Centro de Estudos de Objetos Próximos da Terra da Nasa, disse que os objetos menores vindos do espaço passam muitas vezes despercebidos, mas podem causar problemas às pessoas no solo.

Um exemplo é o meteoro de Chelyabinsk, com cerca de seis metros de largura, que explodiu sobre a Rússia em 2013 e feriu centenas de pessoas. Conhecer as trajetórias com antecedência poderia dar tempo às pessoas para se colocarem em segurança.

“Se fosse possível enviar aviso, ninguém se machucaria”, afirmou Farnocchia. /THE NEW YORK TIMES

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.