PUBLICIDADE

Os cientistas estudavam um fóssil desde 1931 - mas ele era falso

Presença de tinta no fóssil indicou que ele não era feito de tecidos moles preservados do período Permiano, como se imaginava

Foto do author Redação
Por Redação

THE WASHINGTON POST - Enquanto a pesquisadora de pós-doutorado Valentina Rossi, da Universidade College Cork, na Irlanda, estudava um fóssil que há muito tempo acreditava-se ser um exemplar de 280 milhões de anos de uma espécie de réptil até então desconhecida, ela notou algo estranho na pele do animal – era tinta preta.

PUBLICIDADE

A teoria era de que o fóssil, que foi encontrado em 1931 nos Alpes Italianos, continha tecidos moles preservados dos primeiros dias do período Permiano – tempo antes dos dinossauros, quando o supercontinente Pangeia fervilhava com criaturas bizarras e aterrorizantes.

Cientistas nomearam a nova espécie e passaram anos tentando adivinhar que tipo de réptil era. Eles consideraram a descoberta importante, visto que o animal teria vivido em um momento em que muitas espécies de répteis não eram conhecidas por existir naquela área.

Mas durante sua pesquisa, alguns anos atrás, Rossi descobriu que não havia tecidos moles na rocha. Em vez disso, o que se acreditava ser o corpo do réptil era, em sua maior parte, tinta. Segundo ela, o material pode ter sido aplicado em algum momento para preservar ossos embutidos na rocha.

Pedra encontrada na Itália em 1931 era vista, desde então, como um fóssil de réptil contendo sua massa original. O corpo era, no entanto, formado por tinta.  Foto: Valentina Rossi/University College Cork

As origens da falsificação são desconhecidas, mas Rossi espera continuar sua pesquisa para descobrir qual animal está, de fato, preservado sob a tinta. Em um estudo publicado na semana passada na revista científica Paleontology, Rossi e outros pesquisadores europeus revelaram a descoberta.

“Isso foi totalmente inesperado”, disse Rossi, de 34 anos, autora principal do estudo, ao The Washington Post. “Ninguém nunca pensou sequer em propor que a pele era potencialmente uma tinta.”

Tridentinosaurus antiquus

Foi por volta de 2020, que pesquisadores começaram a estudar a história das rochas e animais nos Alpes Italianos. Um dos únicos fósseis de répteis daquela área descoberto cerca de 90 anos antes, o fóssil falsificado foi descoberto por um engenheiro, mas não está claro se ele originalmente aplicou a tinta.

Publicidade

O réptil na rocha tinha um corpo esguio que media quase oito polegadas de comprimento, bem como dedos das mãos e pés e uma cabeça pequena. Em meados de 1900, cientistas nomearam o réptil Tridentinosaurus antiquus.

  • Os pesquisadores daquela época acreditavam que os tecidos moles do réptil estavam revestidos com vernizes ou lacas – materiais que cientistas anteriormente usavam para preservar fósseis. O fóssil foi datado de aproximadamente 280 milhões de anos porque foi encontrado entre outras rochas daquele período.

Ele foi armazenado em um museu em Pádua, Itália, onde permaneceu. Cientistas debateram por anos a qual grupo de répteis o T. antiquus pertencia, mas eles finalmente decidiram por Protorosauria, um grupo extinto que viveu durante o período Permiano.

Rossi disse que soube do fóssil enquanto estudava ciências geológicas na Universidade Sapienza, de Roma, por volta de 2010. Enquanto pesquisadores haviam mencionado o T. antiquus em estudos, Rossi disse que a tecnologia para examinar seguramente tecidos moles só se tornou acessível na última década.

PUBLICIDADE

Usando microscópios e luz ultravioleta, pesquisadores começaram a estudar o fóssil no início de 2021 na esperança de descobrir a aparência, habitat e parentes do réptil. “Todos nós começamos esse projeto pensando que o fóssil era real”, disse Rossi. Mas pesquisas adicionais sugeriram que poderia não haver muito o que estudar.

Fósseis tipicamente são planos, disseram os pesquisadores, mas o corpo do réptil foi esculpido na rocha. Enquanto fósseis tipicamente não emitem cores sob luz ultravioleta, Rossi disse que o corpo do réptil aparecia amarelo – uma cor frequentemente associada com tinta.

  • Após mais de um ano de exames, pesquisadores identificaram o material no corpo como tinta de osso preto, que é produzida a partir dos ossos de animais calcinados e foi usada em pinturas históricas antes do século 20. “Fiquei um pouco triste”, disse Rossi.

Publicidade

Não é a primeira vez que algo assim acontece

Embora más identificações de fósseis e falsificações são raras, essa não é a primeira vez que cientistas encontraram um item superestimado. Em 2019, um fóssil que acreditava-se ser uma nova espécie de aranha foi descoberto ser um lagostim.

Em um incidente similar, um fóssil encontrado em 1999 que cientistas acreditavam ser uma espécie de dinossauro não descoberta revelou-se, mais tarde, ser uma combinação de partes do corpo de duas espécies conhecidas.

Rossi não acredita que o fóssil do réptil foi forjado intencionalmente. Ela disse que alguém pode ter tentado preservar o que restou de um fóssil antigo, já havia algumas partes aproveitáveis.

Pesquisadores descobriram seis ossos mal preservados do membro traseiro, assim como cerca de uma dúzia de pequenas escamas ósseas chamadas osteodermes, que são semelhantes às escamas de crocodilo.

Eles estão investigando que animal pode ter possuído aqueles ossos, e quão antigo ele pode ser. Rossi ainda acha que eles vieram de um réptil. “Ele poderia ser o ancestral de muitos, muitos grupos de répteis”, disse. “Mas seria interessante não ter apenas uma hipótese, mas realmente ter um ponto exato de onde esse animal é.” /THE WASHINGTON POST

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.