PUBLICIDADE

Ostras são mesmo afrodisíacas? Veja o que diz a ciência

Especialistas afirmam que esses moluscos contêm elementos que podem realçar a libido, embora não haja evidência científica que mostre um elo direto com um desejo sexual mais robusto

Foto do author Redação
Por Redação

THE WASHINGTON POST - A pergunta: É verdade que ostras são afrodisíacas?

PUBLICIDADE

A ciência: Por séculos, as pessoas consideraram ostras um afrodisíaco, com pelo menos um amante lendário, Giacomo Casanova, atribuindo supostamente sua proeza sexual ao consumo de dezenas delas de uma vez.

Especialistas dizem que esses moluscos salgados contêm elementos que podem realçar a libido, embora não haja evidência científica que mostre um elo direto com um desejo sexual mais robusto.

Ostras cruas são ricas em zinco – uma porção de 100 gramas contém mais de cinco vezes a quantidade diária recomendada para um adulto do sexo masculino e mais de sete vezes para um adulto do sexo feminino. O zinco está associado a níveis melhorados de testosterona, o que influencia a libido masculina e feminina, e é essencial para a fertilidade masculina, mostram pesquisas.

O zinco também aumenta a dopamina, um neurotransmissor envolvido em comportamentos ligados ao prazer e à busca por recompensas e pode influenciar respostas sexuais em homens e mulheres, disse Julia Zumpano, uma nutricionista do Centro de Nutrição Humana na Clínica Cleveland.

Ostras também contêm um aminoácido chamado ácido D-aspártico, o qual, sugere pesquisa, pode apoiar a produção de testosterona, pelo menos em animais. Uma revisão de 23 estudos em animais e quatro estudos em humanos mostrou que o ácido D-aspártico realçou os níveis de testosterona em animais machos. Os resultados, no entanto, foram inconsistentes para humanos.

Há outra explicação de por que ostras podem despertar um lado romântico: o efeito placebo, disse Waguih William IsHak, um professor de psiquiatria no Cedars-Sinai e na Universidade da Califórnia em Los Angeles, que editou um livro didático sobre medicina sexual e co-escreveu um capítulo sobre afrodisíacos.

Publicidade

Meta-análises sobre tratamentos placebo para disfunções sexuais masculinas e femininas mostraram que pessoas que receberam um placebo relataram uma melhoria na função sexual – em alguns estudos, numa taxa tão alta quanto 50%.

O efeito placebo é significativo e “sempre deve ser levantado quando se trata de funcionamento sexual”, disse IsHak.

Ostras cruas são ricas em zinco – uma porção de 100 gramas contém mais de cinco vezes a quantidade diária recomendada para um adulto do sexo masculino e mais de sete vezes para um adulto do sexo feminino. Foto: Felipe Rau/Estadão

O que mais você deve saber:

Não há um número definido de ostras necessárias para produzir potencialmente um efeito afrodisíaco, mas, para aqueles que querem testar o conceito, especialistas recomendam cerca de quatro a seis.

PUBLICIDADE

Especialistas divergem se as pessoas devem comer ostras cozidas ou cruas, mas se você as tentar cruas, saiba que frutos do mar não cozidos podem levar a uma infecção rara, mas séria, com vibrio vulnificus, um patógeno transportado pela água e comida.

Há outras maneiras de você realçar o seu desejo sexual ou desempenho, disse Deb Laino, uma terapeuta sexual e de relacionamento.

  • Melancia, beterrabas e morangos também podem ser afrodisíacos, pelo seus aminoácidos, vitaminas e minerais, disse ela.
  • É aconselhável comida leve antes de um encontro romântico. Uma refeição pesada, particularmente com muitos carboidratos, pode fazer você ficar sonolento e estragar o clima.
  • Não beba álcool em excesso. Um ou dois copos de vinho ou saquê é o suficiente, afirma Deb.

Publicidade

A conclusão: Não há evidência científica comprovando que ostras aumentam a libido humana. Mas alguns especialistas levantam a hipótese de que o molusco contém elementos que podem estar associados a um maior desejo e desempenho sexual.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.