PUBLICIDADE

Conheça 8 documentários que capturam algo verdadeiro sobre o amor

Cientistas que morreram juntos em uma explosão vulcânica, artistas com relacionamentos complexos, uma mulher que tenta tirar o marido da prisão - estas são algumas histórias reais que mostram os altos e baixos do amor; veja lista

Por Alissa Wilkinson

THE NEW YORK TIMES - O romance e o amor são estranhamente difíceis de capturar de forma autêntica em um documentário. Muito do que promove a conexão real - em oposição, por exemplo, ao amor performático no estilo The Bachelor - acontece longe das câmeras. Além disso, toda história de amor é um pouco um experimento, e o efeito do observador se aplica: ser filmado tende a mudar os resultados.

PUBLICIDADE

Mas é possível capturar algo sobre o romance em um documentário. Não me refiro ao tipo que termina em um desastre ou a um true crime. Refiro-me aos filmes que nos revelam algo sobre os altos e baixos, as glórias e os descontentamentos e, acima de tudo, algo inefável sobre o próprio amor, transcendendo apenas o romance.

Você provavelmente tem seus próprios favoritos, e sua lista pode incluir um dos meus: Vulcões: A Tragédia de Katia e Maurice Krafft (2022, Disney+), o emocionante filme de Sara Dosa sobre os vulcanólogos Katia e Maurice Krafft. Unidos no amor um pelo outro e, talvez igualmente, no amor pelos vulcões, eles morreram juntos em uma explosão vulcânica em 1991.

O interesse em comum era uma parte fundamental de suas vidas, o que me fez pensar em vários documentários sobre casais de artistas, como o comovente So Late So Soon (2021, aluguel nas principais plataformas), de Daniel Hymanson, e o aclamado Cutie and the Boxer (2013, somente em DVD), de Zachary Heinzerling, ambos sobre relacionamentos complexos que unem criatividade e parceria.

Outros documentários exploram o poder do amor para nos sustentar em meio a tragédias e dificuldades. Penso no filme indicado ao Oscar deste ano, The Eternal Memory (2023, Paramount+), dirigido por Maite Alberdi, sobre um casal que está lidando com a deterioração da memória de um deles.

Ou Flee - Nenhum Lugar para Chamar de Lar (2021, aluguel nas principais plataformas), de Jonas Poher Rasmussen, no qual, prestes a se casar, uma refugiada afegã conta sua traumático história de deslocamento; seu futuro marido se tornou o único lugar seguro que ela pode encontrar, mas ela ainda está reticente em confiar em qualquer lar.

Ou há Time (2020, Prime Video), o filme de Garrett Bradley sobre a luta de Fox Rich para libertar seu marido, Rob, de uma sentença de 60 anos de prisão. (Essa foi uma coprodução do The New York Times).

Publicidade

Há muitos outros que eu poderia citar que investigam os cantos e as bordas do romance, mas dois outros me vêm à mente, difíceis de descrever. A Artista e o Ladrão (2020, Prime Video), de Benjamin Ree, sobre um relacionamento que se desenvolve entre um ladrão de arte e a artista cujas obras ele roubou, é um filme complicado.

O documentário 'Time', do Prime Video, mostra a luta de Fox Rich para libertar seu marido, Rob, de uma sentença de 60 anos de prisão. Foto: Prime Video/Divulgação

Sua narrativa sinuosa faz com que, no final, você se pergunte se sabe exatamente o que acabou de assistir e questiona não apenas o que é um romance, mas também o quanto um documentário pode captar sobre um relacionamento.

E há ainda Jacquot de Nantes (1993, somente em DVD), de Agnes Varda, que, em alguns trechos, mal chega a ser um documentário. É a recriação que a renomada cineasta fez da infância de seu marido, o igualmente ilustre cineasta Jacques Demy, e mistura cenas fictícias de sua infância com imagens documentais dele no final de sua vida.

Há muito tempo Demy queria fazer o filme sozinho, mas quando ficou doente demais para realizá-lo - ele morreu um ano antes da estreia - sua mulher assumiu a direção. Portanto, é tanto uma carta de amor quanto o produto de uma longa parceria e, portanto, um verdadeiro retrato da intimidade.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.