Morre Paul Sorvino, ator de 'Os Bons Companheiros', aos 83 anos

Pai da atriz Mira Sorvino, astro participou de filmes e séries policiais, como em 'Law and Order'

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O ator americano Paul Sorvino, que estrelou o clássico da máfia Os Bons Companheiros (1990), morreu nesta segunda-feira aos 83 anos, informou sua família nas redes sociais.

"Estou completamente devastada", escreveu sua viúva, Dee Dee Sorvino, no Facebook, ao lado de uma foto do ator. "O amor da minha vida e o homem mais maravilhoso se foi. Meu coração está partido."

Paul Sorvino interpretou mafiosos no cinema e na televisão e colaborou com o diretor Oliver Stone. Foto: Richard Shotwell/Invision/AP

PUBLICIDADE

Em cinco décadas de carreira, Paul Sorvino somou mais de 100 aparições como ator no cinema e na televisão. Ele interpretou o ex-conselheiro de segurança Henry Kissinger no filme de 1995 Nixon, dirigido por Oliver Stone. Mas o papel que mais transcendeu sua carreira foi Paul Cicero, personagem inspirado no mafioso Paul Vario para o filme Os Bons Companheiros, cult de 1990 dirigido por Martin Scorsese.

Na televisão, atuou na década de 1990 na série policial Law and Order. Mais recentemente, ele participou de Criminal Minds: Without Borders e dividiu a tela com Forest Whitaker em O Poderoso Chefão do Harlem.

 "A maioria das pessoas pensa que sou um gângster ou um policial, mas na verdade sou um escultor, pintor ou escritor", disse ele em uma entrevista de 2014 ao Orlando Weekly. "Aparentemente eu tenho um dom para interpretar esses tipos de papéis", acrescentou.

"Meu pai, o grande Paul Sorvino, faleceu", lamentou sua filha, Mira Sorvino, que ganhou o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante em 1996 por seu papel em Poderosa Afrodite, de Woody Allen. "Ele foi o pai mais maravilhoso. Eu o amo muito. Enviando seu amor para as estrelas enquanto você ascende", acrescentou. O famoso ator, nascido em Nova York em 1939, deixa outros dois filhos, também dedicados à indústria do entretenimento.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.