EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Cultura, comportamento, noite e gente em São Paulo

Alex Atala investe pela primeira vez em hotelaria e é um dos sócios do Resid Club & Hotels

Chef também será responsável pela gastronomia do primeiro hotel do grupo no Brasil, em Búzios, e planeja experiências em outros destinos para os sócios

PUBLICIDADE

Foto do author Marcela Paes
Por Marcela Paes
Atualização:

“O sonho de todo restaurateur é se tornar um hôtelier”. A frase é de Rogério Fasano, mas Alex Atala a usa para falar sobre seu novo momento. O chef agora é um dos sócios, junto com os empresários Paulo Henrique Barbosa, Rafael Caiado, Francisco Costa Neto e Claudia Ribeiro, do Resid Club & Hotels.

Alex Atala Foto: Karine Basilio

PUBLICIDADE

Pensado como um clube - em que é necessário ser membro para frequentar - o negócio terá três frentes: hotéis próprios do clube no Brasil, acesso com condições exclusivas para os membros a hotéis pelo mundo e programações exclusivas em diversos destinos, incluindo eventos, visitas guiadas a exposições e wine tastings, entre outros.

Atala já estava com um pé dentro da hotelaria quando, antes da pandemia, construía seu próprio hotel, mas desistiu do plano durante o período, antes do fim das obras. “Quando o Paulo Henrique veio me convidar para entrar como sócio de uma coisa tão legal eu nem pensei muito, porque já era algo que eu queria”, diz Atala.

O primeiro hotel da rede no Brasil será em Búzios, na Ilha Rasa, onde funcionava o Nas Rocas - hotel que atraía famosos nos anos 1990. A ideia é abrir o local até o fim deste ano. O chef será o responsável pela gastronomia do hotel e, depois de passar uma semana na ilha, já voltou com a cabeça fervilhando de ideias.

“Vi ao menos cinco tipos de pancs marítimas que pretendo incorporar no cardápio”, diz ele, que tem como bandeiras da comida pensada para o local a brasilidade. “Quero valorizar a comida de lá, caiçara”, completa.

Publicidade

O chef também já acumula ideias de experiências para oferecer aos membros. Ir a restaurantes exclusivos no Japão, conhecer aspectos da gastronomia e da cultura de Oaxaca, no México, além de visitas ao Pantanal e a estâncias gaúchas e a fazendas de produção de leite. Isso tudo, claro, com ele como “guia”. “Tenho vontade de usar essa experiência acumulada nas viagens que fiz”, diz.

Atala resume o que espera do novo negócio falando sobre oferecer “tranquilidade e conforto” para os hóspedes. “Antigamente o luxo era muito ligado à ostentação. Isso ainda acontece, mas acho que muita gente busca coisas diferentes. O que eu quero é que as pessoas estejam à vontade lá, sem interpretar um personagem. Hoje, o grande luxo está no conforto e nós queremos trazer isso”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.