PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Cultura, comportamento, noite e gente em São Paulo

Ex-pichador que irritou Doria vai abrir um restaurante e um bar na Barra Funda

Foto do author Marcela Paes
Por Marcela Paes
Atualização:

O artista plástico iaco Viana. Foto: Felipe Rau/Estadão

iaco Viana diz que não faz mais pichações há pelo menos cinco anos, mas sua assinatura - escrita em caprichadas e inconfundíveis letras cursivas - ainda pode ser vista aos montes em diversos bairros de São Paulo. Agora, ele quer deixar sua marca na cidade de outras maneiras. O artista plástico e empresário de primeira viagem se prepara para abrir um bar e um restaurante na Barra Funda. O 'terreno', como vai se chamar o restaurante, será instalado em uma área de mil metros quadrados e é uma parceria de iaco com Roberta Pompone, uma das sócias do Piccoli Cucina, em Pinheiros.

PUBLICIDADE

"Vamos ter nossa própria horta e vamos privilegiar alimentos orgânicos. Vai ser um espaço grande, com árvores, para as pessoas ficarem por lá", diz ele. No cardápio, opções da culinária típica servida em SP, como virado à paulista e estrogonofe. Para cada prato com carne, uma opção vegetariana da mesma receita estará disponível. A previsão de abertura é para meados de setembro.

Já o bar, batizado de portal, ficará em frente ao ateliê e espaço expositivo do artista, o tinta. É por lá que iaco costuma expor obras de artistas independentes e alguns poucos trabalhos seus. No mês passado ele abriu sua segunda individual na Nós Galeria. Ex-professor de artes plásticas, o paulistano começou na pichação em 1996 e chamou a atenção de João Doria ao escrever o nome do então prefeito de São Paulo diversas vezes seguidas na avenida 23 de maio, em 2017. A ideia era protestar contra o apagamento dos grafites que ocupavam grande parte da extensão da via.

"Sempre tive vontade de abrir um restaurante, apesar de trabalhar com arte há bastante tempo. É que na faculdade as pessoas não acreditavam no tipo de arte que eu fazia. Nem eu acreditava e demorei para entender que poderia ser um caminho, que eu podia viver disso".

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.