PUBLICIDADE

Casa Euclides da Cunha reabre após 12 anos no Rio com um objeto de fascínio: o cérebro do escritor

População de Cantagalo, na região onde a vida gira em torno da memória do autor, se uniu para recuperar museu com acervo que inclui o encéfalo do escritor em um baú de mármore; veja vídeo

PUBLICIDADE

Foto do author Marcio Dolzan
Por Marcio Dolzan
Atualização:

A quatro horas de distância do Rio, a pequena cidade de Cantagalo guarda para si uma relíquia sui generis: o cérebro de Euclides da Cunha. Foi naquele município da região serrana que nasceu o autor de Os Sertões, considerada uma das mais importantes obras da literatura brasileira. E até hoje muita coisa por lá faz referência ao seu filho mais ilustre.

Euclides da Cunha nasceu em 1866 na Fazenda da Saudade, no distrito cantagalense de Santa Rita do Rio Negro. Hoje, 157 anos depois, a fazenda não existe mais e deu lugar a uma indústria cimenteira. Restou no local um busto do escritor e uma demarcação geográfica - o terceiro distrito mudou de nome para Euclidelândia.

Busto de Euclides da Cunha foi erguido na entrada de uma indústria cimenteira em Euclidelândia; foi lá que, em 1866, nasceu o escritor FOTO: PEDRO KIRILOS / ESTADÃO Foto: PEDRO KIRILOS

PUBLICIDADE

Além daquele busto, há outro na pracinha no centro de Cantagalo, uma farmácia euclidiana, uma padaria com o mesmo nome, uma escola e até mesmo um sabor de pizza. Grupos de estudo e de discussões sobre a obra de Euclides da Cunha são comuns. Desde sempre o autor é assunto obrigatório nas escolas.

Por cerca de 12 anos, porém, a cidade se viu órfã de seu principal espaço dedicado ao escritor. A Casa de Euclides da Cunha, um museu que guarda um respeitável acervo sobre ele, ficou fechada. Reabriu apenas no mês passado, e agora espera recuperar a movimentação de outrora.

O que guarda a casa?

No espaço é possível encontrar uma câmera fotográfica e uma rede que pertenceu ao escritor, livros e outros artefatos históricos. Entre eles estão projéteis e granadas retiradas do solo de Canudos, povoado para onde Euclides da Cunha foi enviado como correspondente de guerra do Estadão, em 1897. Foi essa experiência que faria com que ele escrevesse sua obra prima posteriormente.

Casa de Euclides da Cunha conta com diversos itens e histórias sobre a vida do escritor. FOTO: PEDRO KIRILOS / ESTADÃO Foto: PEDRO KIRILOS

Mas a principal relíquia da Casa de Euclides da Cunha é o encéfalo do escritor. Ele está guardado sob uma redoma de mármore, localizada bem ao centro da sala principal. “A presença do cérebro dá uma aura especial. Ele foi uma inteligência, um ícone da literatura brasileira”, diz Fany Abrahim. Professora aposentada, ela dirigiu o museu por mais de três décadas. E foi nos primeiros anos de sua gestão, em 1983, que o cérebro do escritor chegou ao local.

“Meu primeiro passo foi fazer um bom relacionamento com os familiares de Euclides, que moravam no Rio. Me tornei amiga muito íntima das netas e bisnetas dele. Um dia, li em um jornal que o encéfalo de Euclides estava no Rio de Janeiro, no Museu Nacional. Fui à família e perguntei se eles podiam doar”, recorda.

Publicidade

A família aceitou a doação, e o cérebro do escritor, preservado em um vidro com formol havia 74 anos, foi trasladado do Rio para Cantagalo. A chegada do órgão, em setembro de 1983, foi acompanhada de uma grande festa no município. “A gente tem testemunhos de que a cidade parou na chegada do encéfalo. Houve um cortejo que parou na prefeitura, na Câmara. Foi um momento histórico para o município”, relata Vinicius Stael, que assumiu a direção do museu recentemente.

Encéfalo de Euclides da Cunha chegou a Cantagalo em 1983 em meio a uma grande cerimônia Foto: Acervo / Casa Euclides da Cunha

Apesar do interesse histórico, quem vai hoje à Casa de Euclides da Cunha não consegue ver o encéfalo do escritor. Ele fica depositado sob um tampo de mármore, e só quem tem acesso (eventual) a ele são os técnicos da Fundação Anita Mantuano de Artes (Funarj), órgão vinculado à Secretaria Estadual de Cultura, que administra o espaço.

“Existe uma lei que diz que corpos humanos não podem ficar expostos. E seria um pouco invasivo para a família, ‘ah, é o cérebro do meu bisavô’”, justifica Stael. O Código Civil brasileiro autoriza a doação e exibição “com objetivo científico ou altruístico” de corpo humano de pessoa conhecida, mas desde que haja consentimento em vida ou dos familiares.

“Mas o encéfalo estar nessa redoma de mármore é exatamente o ‘tchan’ do negócio. A pessoa pensa ‘será que está ali mesmo?’, ‘será que está conservado?’, ‘será que é grande ou pequeno?’”, acrescenta o diretor.

Reabertura

Criada em meados da década de 1960, a Casa de Euclides da Cunha funcionou de forma ininterrupta por quase 50 anos. Entre 1980 e 2012, foi administrada pela professora Fany Abrahim. Ela se aposentou naquele ano, e desde então o espaço estava fechado.

Pessoas ouvidas pelo Estadão relatam que o fechamento foi resultado de um jogo de empurra. A casa pertence a Funarj, uma fundação estadual, e com a aposentadoria de Fany nenhum outro servidor acabou deslocado para a cidade.

Nesse período, a prefeitura de Cantagalo tentou assumir a gestão. O pleito, porém, era por uma doação do espaço - e isso nunca foi à frente porque o museu fica num terreno amplo, que também comporta uma escola estadual. Desmembrar o espaço não era uma tarefa simples e exigiria um esforço político maior do que os lados pareciam comportar.

Publicidade

Ainda assim, na última década a Casa de Euclides da Cunha sempre abriu para visitas agendadas. Por isso mesmo, seu acervo se manteve preservado e o espaço está muito bem cuidado. Além disso, recebeu adequações de acessibilidade e para seguir a legislação contra incêndio. Agora, quem for ao local de segunda à sexta-feira poderá visitar de forma gratuita o espaço dedicado à memória de um dos maiores escritores brasileiros. Só não vai conseguir ver o cérebro.

Casa de Euclides da Cunha

Endereço: R. Maria Zulmira Tôrres - Cantagalo, RJ

Visitação: de segunda à sexta-feira, das 9h às 16h

Entrada gratuita

Informações: (22) 2555 4251

Vista geral da cidade de Euclidelândia , cidade de nascimento de Euclides da Cunha, na época era distrito de Cantagalo no interior do estado do Rio de Janeiro.  Foto: Pedro Kirilos/Estadão
Casa Euclides da Cunha Foto: Pedro Kirilos/Estadão
Casa Euclides da Cunha Foto: Pedro Kirilos/Estadão
Casa Euclides da Cunha Foto: Pedro Kirilos/Estadão
Casa Euclides da Cunha Foto: Pedro Kirilos/Estadão
Estátua de Euclides da Cunha praça central da cidade de Cantagalo ,no interior do estado do Rio de Janeiro Foto: Pedro Kirilos/Estadão
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.