PUBLICIDADE

‘Hotel California’: entenda por que os manuscritos do álbum estão no centro de um julgamento em NY

O caso remonta ao fim da década de 1970, quando um escritor contratado pela banda Eagles para escrever a sua biografia recebeu os manuscritos, que nunca mais devolveu; páginas apareceram recentemente em leilão

Por AFP

NOVA YORK, EUA / AFP - O líder da banda de rock Eagles, Don Henley, definiu-se nesta segunda-feira, 26, como vítima de extorsão, durante um julgamento em Nova York contra três homens acusados de tentar vender uma centena de páginas de manuscritos roubados sobre o álbum Hotel California, de 1976.

O músico Don Henley na Suprema Corte na segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024, em Nova York, para o julgamento envolvendo os manuscritos da letra de 'Hotel California' e outros sucessos dos Eagles e três colecionadores. Foto: Mary Altaffer/ AP

PUBLICIDADE

O conteúdo era “fruto do nosso trabalho, as bobagens que escrevemos” antes de chegarmos à obra final, que foi o sucesso mundial Hotel Califórnia, declarou o fundador, cantor e baterista do Eagles, que faz uma turnê mundial de despedida.

“Não era para ser visto”, acrescentou o músico, de 76 anos. Em frente a ele, no banco dos réus, estão três colecionadores: Craig Inciardi e Edward Kosinski, que estão sendo julgados por posse criminosa de bens roubados; e Glenn Horowitz, por tentativa. Todos afirmam que adquiriram as páginas legalmente.

O caso remonta ao fim da década de 1970, quando um escritor contratado pela banda de rock californiana para escrever a sua biografia recebeu os manuscritos, que nunca mais devolveu, o que Henley considera um roubo, embora a defesa argumente que o autor não está sendo julgado.

Segundo o promotor distrital de Manhattan, em 2005 o autor vendeu as páginas para Horowitz, um comerciante de livros raros, que as vendeu mais tarde para Inciardi e Kosinski.

Banda Eagles: a partir da esquerda, Timothy B. Schmit, Don Henley, Glenn Frey e Joe Walsh posam com uma guitarra autografada após uma entrevista coletiva no Sundance Film Festival, em Park City, Utah, 19 de janeiro de 2013. Foto: Chris Pizzello/Invision/AP

Anos depois da separação da banda, o músico viu algumas das páginas aparecerem na internet, a primeira vez em 2012. Após entrar em contato com seu advogado, acabou, ele mesmo, comprando-as, por 8,5 mil dólares (R$ 42,3 mil, na cotação atual). Era a forma “mais eficaz e prática de recuperar o que me pertencia”, argumentou.

Outras páginas apareceriam em leilões nos anos seguintes, incluindo um lote de 13 páginas manuscritas para a música Hotel California. “Já haviam me extorquido uma vez”, disse Henley, que recorreu em 2016 ao gabinete do procurador de Manhattan, que apresentou acusações.

Publicidade

O julgamento deve durar vários dias.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.