Morre o carnavalesco Max Lopes, o ‘Mago das Cores’, aos 74 anos’

Artista trabalhou em várias escolas de samba do Rio ao longo das décadas, tendo sido campeão com o enredo ‘Liberdade! Liberdade! Abra as Asas Sobre Nós’, com a Imperatriz Leopoldinense, em 1989

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação

Max Lopes, carnavalesco que ficou conhecido como ‘Mago das Cores’ por sua trajetória nas escolas de samba do Rio de Janeiro, morreu neste domingo, 24, aos 74 anos de idade. O anúncio foi feito pela família nas redes sociais do próprio Max, e posteriormente repercutido pelas escolas de samba. Nos últimos tempos, ele havia sido diagnosticado com um câncer.

Max Lopes, à esquerda, durante a preparação para o carnaval, em foto de janeiro de 2002, ao lado de Carlinhos de Jesus, na Mangueira. Foto: Wilton Junior/Estadão

PUBLICIDADE

Um dos momentos mais marcantes de sua carreira se deu na Imperatriz Leopoldinense, onde foi campeão do carnaval de 1989 com o enredo Liberdade! Liberdade! Abra as Asas Sobre Nós. Também teve passagens por diversas outras agremiações, incluindo Mangueira, Vila Isabel, Viradouro, Porto da Pedra, São Clemente e Grande Rio.

A Imperatriz Leopoldinense destacou: “Max iniciou sua trajetória na Imperatriz em 1977, com o enredo Viagens Fantásticas às Terras de Ibirapitanga e foi campeão em 1989, com o enredo Liberdade! Liberdade! Abra as Asas Sobre Nós. Todos os Leopoldinenses lhe agradecem por toda dedicação ao nosso pavilhão”.

A Estação Primeira de Mangueira publicou: “Obrigada, Mago. Sua história será reverenciada e lembrada para sempre, a Mangueira jamais te esquecerá!”

Já a Liesa-RJ (Liga Independente das Escolas de Sampa do Rio de Janeiro) publicou uma foto em preto e branco de Max Lopes, acompanhada por um sinal de luto. “O carnaval se despede hoje do ‘Mago das Cores’, Max Lopes, o primeiro carnavalesco campeão do Sambódromo no grupo principal”.

Max Lopes em foto de 27 de janeiro de 2005, durante a preparação do carnaval daquele ano pela Mangueira Foto: Sergio Moraes/Reuters

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.