PUBLICIDADE

Nick Carter lamenta morte do irmão Aaron, com quem era brigado

‘Ainda que tenhamos tido um relacionamento complicado, meu amor por ele nunca deixou de existir’; cantor foi encontrado morto aos 34 anos de idade

Foto do author Redação
Por Redação

Nick Carter, do grupo Backstreet Boys, se pronunciou a respeito da morte de seu irmão, o também cantor Aaron Carter, aos 34 anos, na tarde deste domingo, 6, em uma sequência de fotos em seu Instagram. Recentemente, os dois tiveram problemas publicamente, com Nick chegando a conseguir uma ordem de restrição contra Aaron na Justiça.

PUBLICIDADE

“Meu coração está partido. Ainda que eu e meu irmão tenhamos tido um relacionamento complicado, meu amor por ele nunca deixou de existir. Eu sempre tive a esperança de que ele de alguma forma, algum dia, gostaria de trilhar um caminho saudável e quem sabe encontrar a ajuda que ele precisava tão desesperadamente”, escreveu.

Na sequência, concluiu: “Às vezes nós queremos culpar algo ou alguém por uma perda, mas a verdade é que o vício e a doença mental são o verdadeiro vilão aqui. Eu vou sentir sua falta, irmão, mais do que qualquer um jamais vai imaginar. Eu te amo, Chizz. Agora você poderá finalmente ter a paz que não conseguiu achar aqui na Terra. Te amo, irmãozinho”.

Os dois chegaram a trabalhar juntos em algumas músicas em parceria no passado. Relembre abaixo:

Aaron Carter

Aaron Carter começou a carreira musical no embalo do sucesso do irmão, com os álbuns Aaron Carter (1997) e Aaron’s Party (Come Get It) (2000), Oh Aaron (2001) e Another Earthquake! (2002). Os fãs devem se lembrar de ouvir alguns de seus principais hits no início dos anos 2000, Not Too Young, Not Too Old, Aaron’s Party e I Want Candy.

Aaron Carter chegou a fazer shows de abertura em algumas turnês do Backstreet Boys e de Britney Spears. No dia em que a cantora pop se apresentou no Rock In Rio, em 2001, Aaron fez seu primeiro show no Brasil, aos 13 anos.

Ao longo da carreira, o cantor chegou fazer uso de drogas e a se internar em clínicas de reabilitação. Com o passar do tempo, revelou-se também que Aaron havia sido diagnosticado com ansiedade, bipolaridade e esquizofrenia.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.