Publicidade

Morre Abilio Diniz, um dos maiores líderes empresariais do Brasil por décadas

Conhecido pela carreira à frente do Grupo Pão de Açúcar, empresário foi hospitalizado há três semanas, após passar mal durante viagem aos Estados Unidos

Por Roberto Gazzi e Carlos Eduardo Valim
Atualização:

Abilio Diniz, um dos maiores empresários brasileiros, morreu neste domingo, 18, aos 87 anos, vítima de insuficiência respiratória em função de uma pneumonite. Ele estava internado no Hospital Albert Einstein.

PUBLICIDADE

O empresário viajou em janeiro para Aspen, no Colorado (EUA), enquanto se recuperava de duas cirurgias no joelho. Ele se sentiu mal e voltou às pressas para o Brasil. Antes, fez uma publicação no seu perfil no Instagram. Disse que não poderia aproveitar os esportes de inverno devido à recuperação, mas se sentia feliz e energizado.

Abilio deixa a mulher, Geyze, e cinco filhos: Ana Maria, Adriana e Pedro Paulo, do primeiro casamento, com Maria Auriluce Falleiros, e Rafaela e Miguel, do segundo casamento. O velório ocorrerá nesta segunda, 19, no Salão Nobre do Estádio do Morumbi, do São Paulo Futebol, time do coração do empresário. Ele será aberto ao público das 11h às 15h. O acesso de veículos será pela Av. Jules Rimet – Portão 4. Já o acesso de pedestres será pela Av. Giovanni Gronchi - Portão 17. O enterro será reservado apenas aos familiares.

A notícia de sua morte repercutiu entre parentes, amigos, autoridades e empresários, que destacaram em notas ou publicações em redes sociais seu legado de obstinação, empreendedorismo, dedicação ao trabalho e otimismo com o Brasil.

Sua carreira de empresário começou em 1959. Mais velho dos seis filhos do português Valentim dos Santos Diniz e de sua mulher, Floripes, Abilio abriu com o pai o primeiro supermercado Pão de Açúcar no Paraíso, bairro de São Paulo onde passou a infância. Era na Avenida Brigadeiro Luís Antônio, ao lado da Doceria Pão de Açúcar, que Valentim abrira em 1948. O português havia chegado ao Brasil em 1929; Abilio nasceu em 28 de dezembro de 1936.

Aluno do colégio Anglo Latino, fez o então segundo grau no Colégio Mackenzie e se formou em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas. Em 1965, foi para os Estados Unidos estudar Marketing na Universidade de Ohio e Economia na Universidade Columbia, em Nova York. Logo depois da volta ao Brasil, o Pão de Açúcar já era a maior rede varejista do País. Na década de 1970, com a aquisição da Eletroradiobraz, tornou-se a maior varejista da América Latina. Ajudando o pai, o Pão de Açúcar inovou ao criar os primeiros hipermercados do Brasil: duas unidades do Jumbo, uma em Santo André e outra perto do Aeroporto de Congonhas.

O grupo seguiu fazendo aquisições, comprando os tradicionais rivais Peg-Pag e Superbom. Nesta época já tinha negócios em Portugal e Angola. Eram os tempos do chamado milagre brasileiro, na fase mais dura da ditadura militar. Ao contrário de outros empresários, que em meados dos anos 1970 começaram a pedir a abertura da fechadíssima economia brasileira, Abilio se manteve discreto, falando somente de negócios ou reclamando muito discretamente da inflação, que estava começando a ser um problema sério da economia e afetando a lucratividade do grupo. Em entrevista ao Estadão, em 1979, disse: “Inflação? Cada um faça sua parte”.

Publicidade

Abilio Diniz no Espaço Horizontes, que conta sua história, na Fazenda da Toca, em 2019 Foto: Iara Morselli/Estadão

Em 1981, foi criada a Companhia Brasileira de Distribuição (CBD). É neste ano Abilio finalmente se uniu ao coro dos que pediam a abertura da economia. Quatro anos mais tarde chegou a estar numa lista de possíveis ministros do primeiro governo civil após a queda da ditadura, o de José Sarney. Mas logo depois sofreu com o congelamento de preços determinado durante o Plano Cruzado. As prateleiras dos supermercados ficavam vazias, Diniz chegou a ser indiciado, acusado de sonegar mercadorias. Numa entrevista, ironizou: “Fui de (possível) ministro a inimigo público número 1″.

Durante o segundo turno da primeira eleição direta para presidente da República após a ditadura militar, Abilio foi sequestrado. Foi em 11 de dezembro de 1989, no Jardim Europa. Arrancado de seu Mercedes-Benz, acabou levado a um cativeiro no Jabaquara. No quinto dia do sequestro, um sábado, enquanto a família negociava o pagamento de um resgate de US$ 5 milhões, a polícia descobriu o local. A casa foi cercada e iniciou-se uma negociação que durou mais de 24 horas. No dia seguinte, Diniz foi libertado e 10 sequestradores foram presos: 5 chilenos, 2 argentinos, um casal canadense e um brasileiro. Era a manhã do dia do segundo turno entre Lula e Fernando Collor. Na saída do cativeiro, Abilio vestia uma camiseta do PT.

A capa do Estadão daquele domingo mostrava uma pesquisa do Instituto Gallup: Collor 44,9%, Lula, 44,4%. Até hoje petistas acreditam que o fato contribuiu para a derrota de Lula. Ao sair do local, ainda assustado, disse que aqueles tinham sido os piores dias de sua vida e deu detalhes sobre as horas que passou num buraco cavado no cativeiro. Depois, procurou não falar do sequestro. Muitos anos depois contou que teve de lidar com traumas psicológicos, ouvia barulhos estranhos e procurou um terapeuta. Mas que fez questão de seguir liderando o Pão de Açúcar como se nada tivesse ocorrido.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Abilio sempre teve muito gosto por esportes e competição. Para muitos que o conheceram, ele era mais do que competitivo: era obsessivo. Abilio já era um empresário conhecido na década de 60 quando passou a ser um dos principais pilotos dos tempos românticos do automobilismo brasileiro. Ganhou várias provas com um Alfa Romeo vermelho. Em 1971, foi vice-campeão brasileiro de automobilismo e eleito o Homem de Vendas do ano. Deixou o automobilismo, mas nunca deixou de competir, nos esportes e nos negócios.

“Sempre encarei a vida como competição”, disse num trecho de uma entrevista ao Estadão ao comentar que tinha começado a competir no triatlo, a competição que reúne longos trechos de natação, ciclismo e corrida. No começo dos anos 1990, Abilio era visto nos fins de semana saindo ou entrando correndo da Península, a porção final e mais chique da Praia da Enseada, onde ficava sua mansão no Guarujá. O dono de um quiosque na praia sempre gritava quando a figura atlética passava: “Vai, homem de aço!”. Era referência ao Ironman, o nome da mais famosa competição do triatlo.

Abílio Diniz (D) com seu pai, Valentim, e seu filho João Paulo, na Maratona de Revezamento Pão de Açúcar, em 2003  Foto: Pão de Açúcar/Divulgação

Abilio começou a competir ainda com mais garra também nos negócios. Ele tinha assumido a presidência do Pão de Açúcar em 1990 e em 1993 tornou-se o acionista majoritário. O grupo já enfrentava problemas financeiros com disputas familiares pela divisão do negócio. O quadro era agravado pela péssima situação econômica do Brasil vivida no governo Collor. Em 1990, o Pão de Açúcar teve US$ 32 milhões de prejuízo, débito grandioso para a época. Abilio mandou fechar um terço das lojas e demitiu mais de 20 mil funcionários. Após o ajuste, o grupo voltou a crescer.

O Plano Real, criado em 1994, auxiliou Diniz e seu estilo competidor. Lançou um pioneiro serviço de entrega, o Delivery, fez a abertura de capital (IPO) na Bovespa. Dois anos depois fez o mesmo na Bolsa de Nova York e tornou o Pão de Açúcar a primeira empresa varejista brasileira a ter ações negociadas em Wall Street. Para expandir o grupo, comprou redes de mercados de bairro, como Barateiro e Peralta.

Publicidade

Em 1999, fechou um grande acordo com o gigantesco grupo francês Casino, rival do Carrefour, que chegara ao Brasil em 1975 e se tornara seu principal competidor. Com dinheiro em caixa, comprou o grupo Sendas e o Sé. Em 2002 assumiu a presidência do Conselho de Administração e seu pai tornou-se presidente honorário. Significava que a partir daí o Pão de Açúcar passaria a ter executivos no comando da operação. Em 2005 foi criada uma nova holding, a Vieri Participações, dividindo a sociedade em 50% para a família Diniz e 50% para o grupo Casino.

Capitalizado após o acordo com o Casino, o Pão de Açúcar comprou a rede Sendas, do Rio  Foto: Fabio Motta/Estadão

Pelo acordo, Abilio continuaria na presidência do Conselho até 2012, mesmo que os franceses tivessem a maioria das ações (já tinham). Reportagem do The Wall Street Journal de junho de 2006 mostrava os esforços de Abilio para manter o Pão de Açúcar na liderança do mercado brasileiro com a recente chegada do grupo americano Walmart. “Como não pode combater a deflação, Diniz – que corre de manhã, malha na hora do almoço e joga squash à noite – está forçando sua empresa a entrar numa dieta de gastos... Para manter o ritmo, espera gastar US$ 1,1 bilhão nos próximos 4 anos”.

Com o Grupo Pão de Açúcar capitalizado, Abilio liderou a compra do Ponto Frio em 2009 e, meses depois, anunciou uma joint venture com a Casas Bahia, dando origem à Via Varejo. Estava criado o maior grupo de distribuição da América Latina (o negócio seria em seguida contestado pela família Klein, da Casas Bahia, que reclamou da valoração da empresa). Seu pai, Valentim dos Santos Diniz, tinha morrido em 2008.

Abilio participa de um encontro com empregados do Pão de Açúcar, em 2004  Foto: Vidal Cavalcanti/Estadão

Todavia, em 2011 Abilio quis romper o acordo com o Casino, propondo um negócio com o Carrefour, rival histórico do grupo francês Casino. Tinha o apoio do BTG Pactual e a propalada promessa de um aporte do BNDES. A disputa foi aos tribunais e em 2013, após acordo, Diniz deixou sua cadeira no Conselho do Pão de Açúcar. O Casino assumiria então o GPA e a Via Varejo.

Mas, a esta altura, Abilio já era presidente de outro conselho, o da BRF, a então recente e surpreendente fusão das marcas Sadia e Perdigão. Também passara a ser um dos maiores acionistas do Carrefour, através da Península Participações, que havia criado anos antes - com o nome em homenagem a seu lugar no Guarujá - para administrar a fortuna e os negócios da família. Ficou como presidente da BRF até 2018, quando foi substituído por Pedro Parente, então presidente da Petrobras. Continuou um grande acionista da BRF assim como do Carrefour Brasil e mundial, do qual foi conselheiro.

O competidor Abilio foi então lutar em outras frentes: já sócio minoritário da Wine, um e-commerce de vinhos, abriu a O3, uma gestora de fundos. “Sou jovem ainda, com filhos pequenos para criar, e gosto muito de trabalhar e aprender. Isso leva a gente para a frente em todos os sentidos”.

Em julho de 2022, porém, o empresário sofreu um grande abalo. Seu filho João Paulo Diniz morreu, aos 58 anos, vítima de um infarto fulminante. “Ontem a vida me deu o golpe mais duro que eu poderia receber e eu estou completamente sem chão. A dor que eu sinto é inexplicável. Meu filho João Paulo me deixou aos 58 anos, invertendo a lei natural da vida”, escreveu Abilio nas redes sociais. “Filho, peço a Deus que te receba com muita luz e dê forças para toda a nossa família enfrentar este momento tão triste e doloroso. João, eu te amo muito, meu filho, e sempre te amarei profundamente. Obrigado pelos 58 anos que você passou comigo, sendo meu grande companheiro.”

Publicidade

Em entrevista ao Estadão em fevereiro de 2023, afirmou que o Brasil estava “vivendo um grande momento” diante das perspectivas de oportunidades de ingresso de capitais internacionais que poderia receber no curto prazo. “A China se abre e nós somos o grande celeiro do mundo. Os EUA começam a se recuperar, a vencer a inflação e não devem enfrentar uma recessão profunda. O mundo apresenta condições para o Brasil ter grandes investimentos”. Na entrevista se definiu: “Sou um otimista”

Meses depois desta entrevista, em junho, o Grupo Casino, endividado na Europa, anunciou que colocaria à venda o GPA. Já Abilio tinha iniciado a carreira de professor, em parceria com a FGV, e de apresentador de um programa de TV. Dava aulas de como competir./ COLABORARAM MÁRCIA DE CHIARA E ISABEL GOMES

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.