Crise energética faz Europa cair em armadilha com políticas intervencionistas e estatizantes

Estado investidor trará de volta perda de eficiência, desperdício do dinheiro público e a velha prática populista

exclusivo para assinantes
Foto do autor: Adriano Pires

Adriano Pires

Diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE)

ver mais

Adriano Pires

Diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE)

Veja mais sobre quem faz

Foto do autor: Adriano Pires

Crise energética faz Europa cair em armadilha com políticas intervencionistas e estatizantes

Estado investidor trará de volta perda de eficiência, desperdício do dinheiro público e a velha prática populista

exclusivo para assinantes

Coluna

Adriano Pires

Diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE)

Veja mais sobre quem faz

Foto do autor: Adriano Pires

Crise energética faz Europa cair em armadilha com políticas intervencionistas e estatizantes

Estado investidor trará de volta perda de eficiência, desperdício do dinheiro público e a velha prática populista

exclusivo para assinantes

Continua após a publicidade

A crise pela qual passa o setor de energia, em particular na Europa, está levando os governos a assumirem políticas intervencionistas e estatizantes. Os erros cometidos pelas políticas energéticas europeias nos últimos anos vieram à tona com a pandemia e se acentuaram com a guerra entre Rússia e Ucrânia. Os governos, influenciados e pressionados por movimentos ambientalistas, acabaram ficando reféns das energias renováveis intermitentes e do gás natural russo. Agora a conta chegou.

Os preços dos combustíveis aumentaram e trouxeram inflação, elevação da taxa de juros e, o pior, a possibilidade de racionamento no próximo inverno. Diante deste quadro, uma solução que a Europa vem adotando são políticas de subsídios e o aumento da participação do Estado em empresas de energia.

Sistema de transmissão de gás na Alemanha; Europa sofre com efeitos da guerra entre Rússia e Ucrânia
Sistema de transmissão de gás na Alemanha; Europa sofre com efeitos da guerra entre Rússia e Ucrânia Foto: Ina Fassbender/AFP

Continua após a publicidade

Na Alemanha, o governo anunciou a compra de 30% da empresa Uniper, que é a maior importadora de gás russo no país e foi fortemente afetada pela alta nos preços dos combustíveis e a redução do fornecimento do gás vindo da Rússia. A ideia é que o governo alemão injete liquidez na empresa.

A compra de 30% da empresa vai custar US$ 15,28 bilhões. A justificativa do primeiro-ministro alemão é que a Uniper é de grande importância para o desenvolvimento econômico da Alemanha e sua segurança energética. O curioso e que chama a atenção é que o acionista majoritário da Uniper é o governo finlandês. Ou seja, a Uniper passa a ser uma grande estatal.

Na França, esse movimento também está acontecendo, e o governo já anunciou a reestatização da EDF. Isso vai custar US$ 9,8 bilhões por cerca de 15% da empresa. A justificativa da primeira-ministra da França: “Confirmo a vocês que o Estado pretende controlar 100% da EDF. Isso permitirá reforçar sua capacidade de levar a cabo projetos ambiciosos e imprescindíveis o mais rapidamente possível para o nosso futuro energético”.

O que estamos vendo é um alinhamento dos dois principais países da comunidade europeia na tentativa de assegurar o abastecimento de energia com gás natural e energia nuclear, que, na nova taxonomia da comunidade, passaram a ser consideradas energias verdes.

Depois de apostarem todas as fichas nas energias renováveis em nome da transição energética, a Alemanha e a França trazem de volta para a mesa a questão da segurança energética e a necessidade de preços de energia mais competitivos.

Para atender a esses dois requisitos, e assustados com a perda de popularidade e com a real possibilidade de um racionamento no próximo inverno, apelam para uma política que traz de volta o Estado como investidor, passando a conta para o contribuinte, e não para o consumidor de energia. Mas o pior é que essa decisão trará de volta perda de eficiência, desperdício do dinheiro público e a velha prática populista. O fato é que a Europa caiu numa armadilha e, para sair, está entrando numa maior ainda.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade