EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE)

Opinião|Temos de evitar políticas pendulares no setor de petróleo

Direção da Petrobras, seguindo as políticas governamentais, pretende rever termo de compromisso de cessação junto ao Cade

PUBLICIDADE

Foto do author Adriano Pires

Em 2019, o Cade assinou um Termo de Compromisso de Cessação (TCC) com a Petrobras cujo objetivo era reduzir o poder de monopólio da empresa nos segmentos de refino e gás natural. No refino, a Petrobras seria obrigada a vender 50% da sua capacidade e, no gás natural, ocorreria uma desverticalização. Esse TCC foi visto pelo mercado como a primeira vez em que o Cade estava usando o seu enforcement para promover a concorrência de fato no mercado do óleo e do gás.

PUBLICIDADE

Na época, o ato do Cade chegou a ser comparado ao que ocorreu com a Standard Oil, que em 1911 foi obrigada a se dissolver, por decisão da Suprema Corte americana, com base na Lei Antitruste Sherman, criando as companhias que passaram a ser conhecidas como Sete Irmãs. Entretanto, apesar das expectativas, o resultado do TCC ainda é bastante tímido. No refino, só foram vendidas as refinarias da Bahia e de Manaus, já que a Lubnor, no Ceará, teve seu processo revertido e voltou ao sistema Petrobras. O relevante mesmo foi a venda da refinaria da Bahia, que representa 15% da capacidade de refino da Petrobras. No gás, foram vendidos os gasodutos do Norte e do Nordeste (TAG), os do Sudeste (NTS) e a Gaspetro, onde a Petrobras tinha participação em empresas estaduais de distribuição de gás. Agora, a direção da Petrobras, seguindo as políticas governamentais, pretende rever o TCC junto ao Cade com o objetivo de paralisar o processo de privatização.

Essas discussões no âmbito do Cade são mais importantes do que muitos imaginam, pois podem significar a volta da instabilidade regulatória e da insegurança jurídica. Quando esse acordo foi assinado, parecia que se estava iniciando um novo ciclo no mercado de óleo e gás. Da mesma forma que o segmento de exploração/produção está aberto desde 1998 através dos leilões, parecia que havia chegado a vez do refino e do gás natural. Agora, a ideia é que a Petrobras volte a investir de modo disperso em diferentes segmentos, como colocado no seu novo plano de investimentos.

Cade é uma agência reguladora que visa evitar concentração de mercado e formação de monopólios e cartéis Foto: JEFFERSON RUDY / AGÊNCIA BRASIL

O novo plano estratégico traz a volta de investimentos significativos em refino, em fertilizantes, em energias renováveis e em gás natural. Para que esse plano seja executado e faça sentido, é preciso rever os TCCs. O problema é que esse vai e vem de privatiza e estatiza só afasta investidores privados dos segmentos de infraestrutura, que são capital intensivo e têm retorno de longo prazo. Vejam o exemplo da Argentina. O governo Javier Milei anunciou que pretende privatizar novamente a YPF. Essa empresa já foi privatizada e novamente estatizada. Com o risco da volta de um governo peronista daqui a quatro anos, os possíveis compradores da YPF passam a ser especuladores, o que não é nada bom para o país. O Brasil deveria aprender e evitar a política pendular que deixou a Argentina nessa crise sem precedentes, quebrou o país e só empobreceu a sua sociedade.

Opinião por Adriano Pires

Diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.