Alta de 44% no preço do gás modifica hábitos dos consumidores

No interior de SP, casal passou a cozinhar uma vez por dia para economizar; botijão já passa de R$ 80 em algumas distribuidoras

PUBLICIDADE

Foto do author Renata Okumura
Por Jéssica Kruckenfellner e Renata Okumura
Atualização:

Com um aumento de mais de 40% neste ano, o botijão de gás vai se transformando no vilão das finanças domésticas.Conforme dados do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liqüefeito de Petróleo (Sindigás), o preço do gás de cozinha teve uma alta de 44% em 2017 nas refinarias.

Baixos estoques e proximidade do inverno no hemisfério Norte aumenta a demanda pelo produto, fazendo subir o preço 

PUBLICIDADE

Para o consumidor, no entanto, o aumento nos preços pode ser ainda maior. No Estado de São Paulo, o preço máximo do botijão de 13 quilos nas revendas já chega a R$ 82, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). 

Com o produto cada vez mais caro, a saída é economizar o máximo possível. O pintor Reinaldo Barbosa, que mora no interior do Estado de São Paulo, conta que ele e a esposa, que trabalha como diarista, passaram a cozinhar apenas uma vez por dia. 

"Levamos marmita e esquentamos no trabalho, então já conseguimos economizar um pouco do gás com isso", diz ele. Entre as principais despesas da casa, incluindo luz e água, Barbosa afirma que o gás é o que mais pesa no orçamento da família.

++ 13º salário deve injetar R$ 200,5 bilhões na economia, segundo Dieese

Na companhia de gás localizada na Rua Domingos de Santa Maria, 590, na Vila Guarani, na zona sul da cidade de São Paulo, o botijão de gás residencial sai por R$ 70 para quem comprar no local e por R$ 83 na entrega, mas o atendente José Carlos alerta que o valor era válido apenas para a quarta-feira, 8. 

Reinaldo Barbosa, pintor, tentareduzir o consumo de gás em casa para compensar a alta dos preços Foto: Reprodução

"Estamos enfrentando um reajuste praticamente todo dia 5 do mês. Este é o valor antigo. Em breve, teremos que repassar novo reajuste ao consumidor", reforçou o funcionário. 

Publicidade

O motorista Ricardo Ferreira, que mora na zona norte, critica o aumento no preço do GLP residencial. "Eu compro um botijão a cada 45 dias. Em janeiro, eu pagava R$ 49 e agora o valor já está em R$ 82. Um aumento de mais de 50%, caso eu leve em conta os valores que eu paguei no ano", alertou o consumidor.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.