Publicidade

Por que o azeite de oliva se tornou um produto tão caro no mundo?

Preços mais do que dobraram com o clima extremo que atingiu plantações na Espanha, Itália e outros lugares; próxima safra não parece muito melhor e produto pode continuar caro

Por Santul Nerkar
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - Ultimamente, há algo diferente no azeite de oliva que Michelle Spangler compra, engarrafa e infunde com sabores como manjericão e laranja sanguínea para sua loja em Dallas. Não é o sabor, mas o custo: os preços globais do azeite de oliva subiram a níveis recordes, mais do que dobrando no último ano.

PUBLICIDADE

A sra. Spangler tem um acordo com o fornecedor de sua loja que a protege contra aumentos de preços tão rápidos, mas ela ainda espera pagar até 20% a mais. Ela planeja aumentar os preços de 10% a 15% em sua loja, Infused Oils & Vinegars, no início do próximo ano.

“Não é um produto barato”, disse Spangler, “e isso provavelmente fará com que alguns de meus clientes deixem de comprar essa linha de produtos em minha loja”.

Assim como o óleo que vem do solo, o azeite de oliva é uma commodity comercializada globalmente, com eventos em uma parte do mundo repercutindo em lugares distantes. A seca na Espanha, o maior produtor de azeite de oliva do mundo, devastou as colheitas recentes, e o mau tempo atingiu as plantações de oliva em outros grandes produtores, como Itália, Grécia e Portugal. Os Estados Unidos importam quase todo o azeite de oliva que consomem, principalmente da Espanha e da Itália.

O resultado é o aumento vertiginoso dos preços, bem acima de US$ 9.000 por tonelada métrica, o que se reflete em garrafas mais caras do azeite que se tornou um acessório em muitos lares americanos, usado para cozinhar e regar alimentos associados a uma dieta mediterrânea saudável. Uma garrafa de 750 mililitros de azeite de oliva extra virgem da Bertolli, que custava cerca de US$ 9 no supermercado em outubro do ano passado, hoje custa cerca de US$ 11, um aumento de quase 22%, de acordo com o IRI, um provedor de dados.

O sul da Europa, que responde por mais da metade da produção global de azeite de oliva, é para o azeite de oliva o que o Oriente Médio é para o petróleo bruto. E as coisas não estão parecendo boas para a próxima colheita europeia, que começou este mês: a Comissão Europeia disse recentemente que a produção de azeite de oliva na Espanha, na Itália e em outros países da União Europeia se recuperaria apenas ligeiramente do declínio de 40% da última temporada, limitando o fornecimento e aumentando os preços.

O azeite de oliva tornou-se tão caro que atraiu gangues criminosas, com alguns roubos particularmente descarados em fazendas e fábricas na Espanha e na Grécia.

Publicidade

Michelle Spangler, que vende azeite com sabores como manjericão e laranja sanguínea para sua loja em Dallas, nos Estados Unidos Foto: Zerb Mellish/The New York Times

Os padrões climáticos imprevisíveis e incomuns ligados à mudança climática que prejudicaram as colheitas de azeite de oliva no Mediterrâneo também afetaram os vinhos franceses, as laranjas da Flórida e muitas outras culturas. O aumento resultante nos preços dos alimentos tem sido um fator importante no recente aumento da inflação, que apertou os orçamentos das famílias e atormentou as economias em todo o mundo.

“Os consumidores simplesmente enfrentarão preços mais altos”, disse Shawn Addison, proprietário da Olive Oil Source, um atacadista de azeite de oliva na Califórnia que abastece mercearias e restaurantes.

Em julho, Addison recebeu um e-mail de seu maior fornecedor, que obtém o azeite da Austrália e da Califórnia, informando-o de que o preço do azeite de oliva no atacado estava subindo mais de 30%, com efeito imediato. Logo depois, seu segundo e terceiro maiores fornecedores seguiram o exemplo.

“Todos entraram na onda e imediatamente aumentaram os preços”, disse Addison, observando que isso mostrava como os mercados globais funcionam. Na terça-feira, ele emitiu um pedido de compra de azeite de oliva a US$ 39,50 o galão, que até recentemente custava US$ 29,50.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Algumas empresas, como a Addison’s, estão buscando mais azeite de oliva no Hemisfério Sul, mas o impacto da escassez no Mediterrâneo pode ser difícil de evitar, com uma luta por suprimentos cada vez menores, tornando mais difícil conseguir um acordo sobre o azeite de oliva chileno ou argentino.

Leah Bradley, diretora financeira da Veronica Foods, uma fornecedora de azeite de oliva na Califórnia que conta com a Spangler’s Infused Oils & Vinegars entre seus clientes, disse que a América do Sul e a Austrália tiveram boas colheitas no ano passado, ajudando a mitigar alguns dos danos na Espanha.

”Depender de um hemisfério, de um país ou de uma região não é sustentável”, disse ela. Como o azeite de oliva é produzido em muitas partes diferentes do mundo, o medo entre os vendedores é menos sobre uma escassez e mais sobre quanto os consumidores estão dispostos a pagar. Na Olive Oil Source, o sr. Addison não notou uma queda nas vendas, o que o surpreendeu. Na verdade, ele observou um aumento de 20% desde julho, embora tenha repassado todos os custos “elevados” que paga a seus fornecedores. Ele disse esperar que o negócio continuasse lucrativo.

Publicidade

A capacidade e a disposição dos consumidores de arcar com o ônus dos preços mais altos surpreenderam os economistas e desafiaram repetidamente as previsões de uma desaceleração. No entanto, o aumento dos preços de alguns produtos pode estar se aproximando do ponto em que os compradores acabarão diminuindo.

Azeite de oliva tornou-se tão caro que atraiu gangues criminosas, com roubos em fazendas e fábricas na Espanha e na Grécia Foto: Zerb Mellish/The New York Times

Jesse Shapell, proprietário da Barboncino, uma pizzaria de estilo napolitano no bairro de Crown Heights, no Brooklyn, Nova York, disse que realmente notou o aumento mais recente no preço do azeite de oliva nas últimas semanas. Se os preços continuarem subindo, ele talvez tenha que usar menos, disse.

”Por ser uma pequena empresa que já opera com margens reduzidas, o aumento do custo de um ingrediente essencial como o azeite de oliva cria mais um desafio para levar pizza e culinária de alta qualidade e acessíveis à nossa comunidade”, disse Shapell.

Gray Brooks, proprietário da Pizzeria Toro em Durham, Carolina do Norte, disse que o azeite de oliva foi crucial para dar à crosta de suas pizzas o sabor e a textura que ele descreveu como um “híbrido entre a massa de pizza tradicional e a focaccia”.

O aumento do custo do azeite de oliva, que o Sr. Brooks compra da Itália, forçou-o a aumentar os preços este mês de 5 a 10%, disse ele, com cerca de metade do aumento devido ao custo do azeite de oliva.

A maioria de suas pizzas subiu US$ 1, e algumas subiram US$ 2, como as tortas de almôndega de cordeiro e de linguiça de veado. Ele não está mudando sua receita, mas disse que o aumento dos custos dos alimentos tornou seu trabalho mais difícil, sendo o azeite de oliva apenas a mais recente dor de cabeça.

“Muitas pessoas como eu estão sentindo o peso disso”, disse ele.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.