Banco Central: servidores fazem greve de 24h nesta quinta e preveem adesão de 70% da categoria

Serviços poderão sofrer interrupções operacionais, segundo sindicato; servidores dizem que governo tem tratado a pauta de reivindicações dos funcionários com ‘descaso’

PUBLICIDADE

Foto do author Amanda Pupo
Por Amanda Pupo

BRASÍLIA - Os servidores do Banco Central farão nesta quinta-feira, 11, uma greve de 24 horas, pela qual preveem um possível “apagão” nos serviços do órgão. A ação pode resultar em interrupções operacionais em todos os serviços do BC, segundo a categoria.

PUBLICIDADE

“Isso impactará negativamente o atendimento ao mercado e ao público, incluindo cancelamento de reuniões, manutenção em sistemas e atraso na divulgação de informações”, afirmou em nota o Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), confirmando o movimento aprovado em assembleia-geral no dia 28 de dezembro.

A estimativa de dirigentes do Sinal é de que mais de 70% dos servidores irão aderir à paralisação. “A decisão de realizar a greve decorre da insatisfação dos servidores em relação ao tratamento dispensado às suas demandas, em meio a concessões assimétricas oferecidas a outras categorias típicas de Estado”, disse a entidade, segundo quem, adicionalmente, foi iniciado o processo de entrega de funções comissionadas.

Servidores do Banco Central durante manifestação em frente à sede do banco em Brasília, em novembro de 2023 Foto: Wilton Junior/Estadão

“Os servidores assumindo essas funções comprometem-se a entregá-las caso as negociações com o governo não avancem, com a entrega efetiva prevista para a primeira quinzena de fevereiro”, afirmou.

As operações compromissadas e a rolagem de swap cambial estão mantidas, conforme comunicados publicados na noite desta quarta-feira, 10.

Para a categoria, o Ministério de Gestão e Inovação em Serviços Públicos (MGI) tem tratado a pauta de reivindicações dos funcionários com “descaso”. Ao mesmo tempo, alegam os trabalhadores do BC, a pasta tem feito concessões assimétricas a outras categorias, citando especificamente os policiais federais e auditores da Receita Federal.

Na nota, o Sinal ainda cita uma “preocupação” com a “falta de diálogo” e o “alegado açodamento autoritário” do presidente do BC, Roberto Campos Neto, na abordagem de questões como a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da Independência da autarquia.

Publicidade

Em novembro do ano passado, os funcionários do órgão fizeram uma manifestação em frente à sede do banco, em Brasília. Campos Neto e os demais diretores da instituição aproveitaram o intervalo da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) para posar para fotos em apoio às reivindicações.

O presidente do BC não está em Brasília e, desde segunda-feira, 8, despacha de Miami (EUA), de onde participa da reunião bimestral do Banco de Compensações Internacionais (BIS). Nesta quinta, o diretor de Administração, Rodrigo Alves Teixeira, responsável pelo diálogo com os servidores, estará na capital federal. Sua agenda prevê apenas despachos internos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.