Banco do Brasil, terceiro maior em cartões, lançará nova ‘família Ourocard’ no primeiro trimestre

BB vai simplificar as opções, reforçar os benefícios e revisar as parcerias de emissão com outras marcas; foco é manter o crescimento do negócio sem escalar os riscos

PUBLICIDADE

Foto do author Matheus Piovesana
Por Matheus Piovesana

O Banco do Brasil deve reformular, no primeiro trimestre deste ano, a grade dos cartões de crédito Ourocard. Terceiro maior emissor do País em volume de transações, o BB vai simplificar as opções, que hoje são mais de 20, oferecendo aos clientes três grandes “grupos” de cartão. Ao mesmo tempo, vai reforçar os benefícios e revisar as parcerias de emissão com outras marcas.

PUBLICIDADE

O foco é manter o crescimento do negócio sem escalar os riscos, e o relançamento da “família Ourocard” é o primeiro passo: na visão do BB, com uma oferta mais simples, será possível turbinar benefícios aos clientes de forma mais ampla, e continuar a atender aos que buscam um cartão para fazer compras, sem pontos, mas também sem anuidade.

“Vamos ter nosso cartão de entrada, um cartão que começa a ter alguns benefícios, e os cartões premium, basicamente três categorias”, afirma ao Estadão/Broadcast o diretor de soluções em Meios de Pagamentos e Serviços do BB, Pedro Bramont. “A partir disso, com essa simplificação, começamos a aumentar as pitadas de inovação.”

Em paralelo, virá um esforço para colocar o Ourocard na carteira (física ou digital) de clientes do BB que não usam o cartão do banco; depois, virão os cônjuges, filhos e dependentes dos clientes, via cartões adicionais; por fim, aqueles que não têm conta no BB, via parceiros. Em setembro passado, o BB tinha 11,7 milhões de cartões de crédito ativos.

Banco do Brasil lançará novas versões do Ourocard Foto: Paulo Victor / Estadão

A reformulação já começou. No ano passado, o banco detectou que muitos clientes de cartões não reuniam pontos o suficiente para trocar por produtos ou serviços. Isso os torna mais propensos a buscar a concorrência, que tem reforçado as prateleiras com foco em pontos, dinheiro de volta (cashback), ou cartões sem estes benefícios, mas com anuidade grátis.

O primeiro passo foi explicar em uma campanha que o Ourocard tem vários tipos de benefício, e que o cliente pode ir de um a outro a qualquer momento. Segundo Bramont, 50% dos clientes que mudaram para o cashback não usavam os pontos anteriormente. O banco oferece uma terceira opção: o cashback que é investido em um fundo de renda fixa, o chamado investback.

Religando as turbinas

Entre 2021 e 2022, os bancos aceleraram a concessão de cartões para clientes de fora, o chamado mar aberto, em uma reação ao crescimento de nomes como o Nubank. Com a alta dos juros e da inflação em 2022, porém, a estratégia se traduziu em aumento da inadimplência. O BB foi mais conservador.

Publicidade

“Para o cliente ter acesso a crédito, precisamos conhecer a renda e a situação financeira dele no mercado”, diz Bramont. “A partir disso, deferimos o limite, e à medida que o cliente utiliza o cartão e paga as faturas, aumentamos.”

A maior parte dos cortes de limite por outros bancos foi nos canais externos, o que inclui parcerias com varejistas e empresas aéreas. Neste campo, o BB emite cartões da Smiles, programa de fidelidade da Gol, e da varejista online de eletrônicos Kabum, entre outros.

A revisão da oferta pode incluir novas parcerias. Segundo Bramont, o conglomerado mira segmentos como os de viagens, mobilidade, esportes e games — todos com público fiel e que busca benefícios ao fazer compras. O religamento das turbinas da emissão de cartões via parcerias deve acontecer no terceiro trimestre.

Concorrência

O movimento do BB vem em um momento de inflexão no mercado. Os grandes bancos têm perdido espaço quando se considera o volume de transações, mas os rivais digitais também têm feito uma revisão forte de estratégia após o salto que tiveram, reduzindo limites ou buscando espaço nos segmentos de alta renda, em que o consumo é maior, e a inadimplência é mais baixa.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

O BB é o terceiro maior emissor do País, atrás do Itaú Unibanco e do Bradesco. Os três perderam mercado no último ano, mas a queda do banco público foi menor. “Não temos como meta ganhar posição, até porque conseguiríamos fazer isso trazendo risco para a carteira, e todo mundo pagaria a conta”, diz o diretor.

Na visão dele, os bancos tradicionais têm uma vantagem no contexto atual, em especial na alta renda: conseguem oferecer limites maiores com mais facilidade que as fintechs. Quanto maior o limite concedido, mais capital a regulação exige que os emissores separem para fazer frente ao risco.

Em diferentes estratos de renda, os cartões são uma forma de alavancar a fidelidade ao banco. Exatamente por isso, o primeiro esforço do BB será com os clientes que estão na base, mas usam cartões da concorrência. “Nosso foco é trazer a principalidade, porque quanto mais o cliente traz, mais o compreendemos, e mais agressivos conseguimos ser na concessão de limite e em benefícios.”

Publicidade

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.