Publicidade

Economia verde: BNDES relança Fundo Clima, braço financeiro da nova agenda ambiental

Fundo receberá R$ 10 bilhões do Tesouro Nacional, que serão captados por meio da emissão de títulos ’verdes’; Conselho Monetário Nacional atualizou taxas dos empréstimos para evitar custo fiscal

Foto do author Adriana Fernandes
Foto do author Bianca Lima
Por Adriana Fernandes e Bianca Lima
Atualização:

BRASÍLIA - Enquanto o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Ministério do Meio Ambiente anunciavam, no Rio de Janeiro, o relançamento do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima, em Brasília, o Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovava a atualização das taxas dos empréstimos.

PUBLICIDADE

A sincronia no anúncio marca a estratégia do governo de começar a tirar do papel boa parte das 100 ações já traçadas para agenda verde, chamada oficialmente de Plano de Transformação Ecológica. O governo quer chegar em novembro, à COP28, em Dubai, tendo o que mostrar em avanços na área ambiental.

O Fundo é um dos braços financeiros que vai apoiar o plano. Ele receberá R$ 10 bilhões do Tesouro Nacional, que serão captados com títulos soberanos do País “verdes”. A reestruturação das taxas foi feita para evitar custo fiscal ao Tesouro.

Para Mercadante, presidente do BNDES, o Fundo Amazônia não era mais suficiente para financiar projetos ambientais. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Vinculado ao MMA, o Fundo do Clima foi criado em 2009 e é administrado pelo BNDES, que atua como gestor na aplicação dos recursos reembolsáveis. Atualmente, o Fundo tem carteira de mais de R$ 2 bilhões em crédito já contratado pelo BNDES.

As seis novas áreas de atuação, definidas pelo Comitê Gestor do fundo são: desenvolvimento urbano resiliente e sustentável; indústria verde; logística de transporte, transporte coletivo e mobilidade verdes; transição energética, florestas nativas e recursos hídricos; e serviços e inovação verdes.

O objetivo é gerar vantagens competitivas para o País, com desenvolvimento de tecnologia nacional, emprego verde de qualidade e resiliência climática, com foco na população mais vulnerável às mudanças climáticas.

Em 2024, a rede de instituições financeiras parceiras do BNDES que oferecem empréstimos com recursos do fundo será ampliada.

Publicidade

O novo Fundo do Clima se soma ao Fundo da Amazônia. Na avaliação do presidente do BNDES, Aloizio Mercadantde, o Fundo Amazônia não era mais suficiente para financiar projetos ambientais. Segundo ele, o Fundo do Clima terá taxas de juros muito baixas.

Na avaliação de Mercadante, a linha de crédito do Fundo Clima será uma opção ainda mais interessante, porque o Ministério da Fazenda absorverá o risco cambial.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.