Publicidade

Boeing rebate acusação de engenheiro sobre risco da fuselagem 787 se romper durante voo

Após denúncias de problemas com a montagem das aeronaves modelo 787 Dreamliner, empresa leva jornalistas a uma de suas fábricas para atestar segurança do avião

Por Mark Walker (The New York Times) e Niraj Chokshi (The New York Times)
Atualização:

A Boeing procurou tranquilizar o público sobre a segurança de seu avião 787 Dreamliner dias antes de um denunciante testemunhar perante o Congresso sobre suas preocupações em relação à integridade estrutural do jato.

PUBLICIDADE

Em uma apresentação para repórteres na segunda-feira, 15, na fábrica em North Charleston, Carolina do Sul, onde o avião é montado, dois importantes engenheiros da Boeing disseram que a empresa conduziu testes, inspeções e análises exaustivas do avião, tanto durante seu desenvolvimento quanto nos últimos anos, e não encontrou nenhuma evidência de que sua estrutura falharia prematuramente.

A apresentação ocorreu menos de uma semana depois que o The New York Times revelou as alegações do denunciante, Sam Salehpour, que trabalha como engenheiro de qualidade na Boeing e deve testemunhar perante um painel do Senado na quarta-feira, 17. Salehpour disse que seções da fuselagem do Dreamliner, um avião de fuselagem larga que faz uso extensivo de materiais compósitos, não foram devidamente fixadas umas às outras e que, como resultado, o avião poderia sofrer falhas estruturais ao longo do tempo. A Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês) está investigando suas alegações.

As alegações de Salehpour criaram instantaneamente outro problema de relações públicas para a Boeing, que tem enfrentado intenso escrutínio sobre suas práticas de fabricação depois que um painel de um 737 Max se soltou durante um voo da Alaska Airlines em janeiro.

Salehpour disse que as lacunas onde as seções da fuselagem do Dreamliner foram fixadas umas nas outras nem sempre atendiam às especificações da Boeing, o que ele afirma que poderia enfraquecer a aeronave ao longo do tempo. Os engenheiros da Boeing discordaram da sua avaliação, sem citar o seu nome. Eles disseram que o avião passou por testes extensivos e que, em cerca de 99% dos casos, as lacunas atendiam às especificações. Mesmo se as lacunas excedessem as especificações em um valor razoável, elas não afetariam a durabilidade do avião, acrescentaram os engenheiros.

“Não apenas analisamos essas fuselagens - estávamos retirando fixadores, procurando por danos e também fazendo inspeções de aprovação para entender as condições de construção. E não encontramos nenhum problema de fadiga na estrutura compósita”, disse Steve Chisholm, vice-presidente e engenheiro-chefe responsável pela engenharia mecânica e estrutural da Boeing.

Chisholm disse que a empresa submeteu o Dreamliner a testes extensivos e eles não revelaram nenhuma evidência de fadiga na estrutura do jato. A fuselagem do 787 foi submetida a testes que o colocaram sob 165 mil “ciclos de voo”, ou seja, a pressurização e despressurização equivalentes a esta quantidade de voos. Esse número excedeu em muito a vida útil esperada do avião e a fuselagem ainda não mostrou sinais de fadiga, afirmou o engenheiro.

Publicidade

O avião 787 com maior número de ciclos pertence à companhia aérea japonesa All Nippon Airways, que o recebeu no final de 2012, segundo a Boeing. Essa aeronave passou por cerca de 16.500 ciclos, diz a Boeing.

Boeing rebateu acusação de engenheiro de que fuselagem do 787 poderia se romper durante voo após milhares de viagens.  Foto: Paul Weatherman/Boeing/Divulgação

Em comunicado divulgado na segunda-feira, Debra S. Katz, advogada de Salehpour, pediu cautela ao aceitar como fatos as afirmações da Boeing sobre o Dreamliner.

“Não podemos falar ou responder a dados que não vimos, mas a Boeing sempre disse ‘apenas confie em nós’ quando se trata de segurança”, diz Katz. “Está claro que esse padrão não é mais suficiente, e quaisquer dados fornecidos pela Boeing devem ser validados por especialistas independentes e pela FAA antes de serem considerados como verdadeiros”.

Salehpour deverá testemunhar na quarta-feira perante o subcomitê de investigações do Comitê de Segurança Interna e Assuntos Governamentais do Senado. Separadamente nesse dia, o Comitê de Comércio do Senado planeja realizar uma audiência com especialistas que estiveram envolvidos na produção de um relatório recente da FAA que criticou a cultura de segurança da Boeing.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

A Boeing começou a investigar problemas com lacunas no Dreamliner há cerca de cinco anos, eventualmente descobrindo que algumas partes de encaixe do corpo do avião não atendiam às suas próprias especificações de terem menos de cinco milésimos de polegada de espessura. Isso levou a empresa a interromper as entregas por cerca de 18 meses enquanto inspecionava seus processos e aviões, fazendo alterações quando necessário. Esse trabalho envolveu a remoção de milhares de fixadores dos aviões em seu estoque e a inspeção do tamanho da lacuna entre os dois materiais que cada fixador mantinha unido.

A empresa disse que cerca de 1% de todas as lacunas inspecionadas não atendiam às especificações. A empresa também disse que pesquisas e testes realizados nos últimos anos descobriram que as lacunas maiores não representavam nenhuma ameaça à durabilidade do avião a longo prazo.

A empresa observou que 671 Dreamliners passaram por verificações completas de manutenção de seis anos, enquanto oito passaram por verificações de 12 anos, e informou que nenhuma dessas verificações encontrou quaisquer sinais de fadiga prematura. A Boeing disse não acreditar que os Dreamliners atualmente pilotados por seus clientes precisem de qualquer modificação.

Publicidade

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.