PUBLICIDADE

Publicidade

Bom no xadrez? Um fundo pode querer contratá-lo

Empresas de investimento têm sucesso ao trabalhar com profissionais que se destacam em jogos de estratégia

Por DYLAN LOEB MCCLAIN
Atualização:

A movimentação inicial de Boaz Weinstein em Wall Street, foi resultado de um jogo de xadrez. Hoje administrador famoso de fundos de hedge, Weinstein estava começando um trabalho de férias de verão no Goldman Sachs, em 1991, e tinha somente 18 anos.

PUBLICIDADE

Depois que lhe informaram que não havia vaga disponível, ele parou no banheiro na saída e encontrou David Delucia, então chefe do departamento de operações com títulos corporativos.

David Delucia, classificado como especialista pela Federação de Xadrez dos Estados Unidos, tinha jogado com Weinstein, que figurou várias vezes como mestre de xadrez na lista da Federação. David conseguiu uma série de entrevistas até Weinstein se tornar estagiário na mesa de operações do Goldman.

Weinstein não é o único entre os operadores de Wall Street a ter alguma relação com o xadrez. Peter Thiel, bilionário cofundador do PayPal, que hoje administra o fundo de hedge Clarium Capital, também é mestre de xadrez, e Douglas Hirsch, fundador do Seneca Capital, embora não seja um especialista, é um entusiasta do jogo.

O xadrez ajuda nas operações, disse Boaz Weinstein. Para se tornar um bom jogador, ele aprendeu a se concentrar na maneira como tomava as decisões porque não pode calcular os resultados de todas as possíveis jogadas. Aprender como lidar com essa incerteza ou risco é útil. Quando você faz um investimento, "pode ter 80% de chance de estar certo. E então os 20% surgem", disse ele. "Mas realmente esse é o processo que você usa para tomar a decisão".

Outros jogos de estratégia são também importantes no campo das finanças. Warren Buffet, diretor executivo do Berkshire Hathaway, é um hábil jogador de bridge; e David Eihorn, presidente do Greenlight Capital, que apostou contra o Lehman Brothers em 2008, acabou em 18° lugar no World Series of Poker de 2006.

Mas ser talentoso num jogo não é uma garantia de sucesso. James Cayne, ex-presidente do Bear Stearns, que faliu em março de 2008, é um jogador de bridge de primeira linha, que ganhou muitos torneios internacionais.

Publicidade

Jogadores. Mas a ideia de que as habilidades no jogo podem ser adaptadas para a área de investimentos impulsionou um programa de contratações na década de 90 no Bankers Trust. Na época, o banco tinha um trader muito bem sucedido chamado Norman Weinstein (não tem nenhum parentesco com Boaz Weinstein) que havia ganho o título de mestre internacional da Federação Mundial de Xadrez.

Numa tentativa para reproduzir o seu sucesso, o banco contratou um pequeno grupo de pessoas com pouca ou nenhuma experiência com operações de investimento, mas que eram jogadores de bridge e xadrez de primeira classe.

David Norwood, grande mestre da Federação Mundial de Xadrez (o ranking mais alto que uma pessoa pode conseguir) foi um dos recrutados. "Estava estudando História em Oxford", disse ele. "Do nada, fui contatado por alguém do Bankers Trust que me disse: "você realmente seria um grande trader". Não tinha a mínima ideia do que significava trading.

Norwood aceitou o emprego e logo foi colocado na mesa de operações, mas tudo foi muito repentino. "Era como estar num jogo internacional de xadrez sem conhecer os movimentos", ele disse. Deixou o emprego alguns meses depois.

PUBLICIDADE

Apesar dessa experiência malograda, ele afirmou que ela "plantou uma semente" nele. Depois de um ano, começou a trabalhar no banco britânico Duncan Lawrie e aprender como fazer negócios na bolsa e investir. Em 2008, com 40 anos, ele se aposentou milionário.

Norwood disse acreditar que suas habilidades no xadrez contribuíram para o seu sucesso nos negócios. "Muitas pessoas no mundo dos investimentos são muito otimistas. Elas têm sucesso quando as coisas vão bem", disse ele. No xadrez, você está constantemente tendo revezes e as pessoas que se tornaram grandes jogadores aprenderam a superá-los.

No Talpion, fundo de hedge criado no início deste ano pelo investidor bilionário Henry Swieca, um dos principais traders é Matthew Herman, mestre sênior de xadrez, um ranking acima do mestre normal.

Publicidade

"Não acho que o xadrez possa dar um emprego para uma pessoa no setor financeiro", disse ele, que trabalhou no Goldman Sachs durante seis anos. Mas sua habilidade de jogar xadrez num alto nível "talvez seja reflexo do seu enfoque com relação a tudo". / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.