Publicidade

Braskem tem em 2023 segundo maior prejuízo dos últimos 20 anos

Perdas de R$ 4,6 bilhões no ano passado só não foram piores do que as de 2020, quando a petroquímica provisionou R$ 6,9 bilhões para mitigar o afundamento do solo em Maceió

Foto do author Jorge Barbosa
Por Jorge Barbosa (Broadcast )

A Braskem apresentou em 2023 um prejuízo anual de R$ 4,6 bilhões, valor que representa o segundo maior já registrado pela empresa nos últimos 20 anos. As perdas só não foram piores do que as apuradas em 2020, época em que a petroquímica provisionou R$ 6,9 bilhões para mitigar o afundamento do solo em Maceió, em Alagoas.

PUBLICIDADE

No total, a empresa já provisionou mais de R$ 14 bilhões desde o início do evento geológico. Em 2023, houve o provisionamento adicional de R$ 2,308 bilhões, superior ao R$ 1,520 bilhão reservado em 2022 para mitigar os danos.

As atenções sobre o tema permanecem em alta. A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Braskem tem avançado e já possui um requerimento aprovado para levar o presidente da petroquímica, Roberto Bischoff, a depor. Ainda não há data definida para o comparecimento do executivo à comissão.

A CPI aprovou que Bischoff fizesse acareação com o ex-servidor Thales Sampaio, antigo diretor do Serviço Geológico do Brasil (SGB). Com a liderança de Sampaio, o SGB fez um dos principais estudos que apontaram a mineração da Braskem como causadora do afundamento, em 2019.

Braskem teve prejuízo de R$ 4,6 bilhões em 2023 Foto: Daniel Teixeira / Estadão

Os resultados do quarto trimestre de 2023 da Braskem mostram uma leve recuperação operacional, impulsionada pela melhora gradual nos spreads (diferença entre custo de produção e preço de venda) petroquímicos. O Ebitda da empresa somou R$ 1,049 bilhão no período, avanço de 14% ante o terceiro trimestre de 2023. Por outro lado, o prejuízo da Braskem de R$ 1,575 bilhão foi acima do esperado pelo mercado, que era próximo de R$ 569 milhões (US$ 113,3 milhões).

Em outra frente, também caminha o processo de venda da companhia. Uma reunião entre representantes da petroleira de Abu Dhabi Adnoc e a Novonor (ex-Odebrecht) deve acontecer na próxima semana antes da realização de uma oferta vinculante pela petroquímica. As diligências nas unidades da Braskem já foram concluídas, mas o processo de avaliação da companhia ainda não chegou ao fim.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.