Publicidade

Campos Neto: ‘Inflação está caindo no mundo, mas não de forma linear’

Segundo presidente do Banco Central, preços de energia parecem ter se estabilizado depois do primeiro choque da guerra entre Israel e os terroristas do Hamas

Foto do author Eduardo Laguna
Foto do author Francisco Carlos de Assis
Por Eduardo Laguna (Broadcast) e Francisco Carlos de Assis (Broadcast)
Atualização:

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse nesta segunda-feira, 23, que a inflação voltou a cair no mundo após o impacto nos preços de energia, mas não de forma linear. “Em grande parte, a inflação cai, mas a linearidade não é igual”, disse o presidente do BC.

PUBLICIDADE

As declarações foram dadas durante o evento “Reflexão sobre o cenário econômico brasileiro”, organizado pelo Estadão, com apoio do Broadcast, em parceria com o B3 Bora Investir, site de notícias e conteúdo educacional produzido pela Bolsa.

Ele observou que os preços de energia parecem ter se estabilizado depois do primeiro choque da guerra entre Israel e os terroristas do Hamas. Campos Neto ponderou, contudo, que ainda existe incerteza sobre a escalada do conflito, com potencial efeito na cotação do petróleo.

O presidente do BC lembrou da discussão sobre desinflação adicional durante a última reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI), mas destacou que ainda não está claro de onde está vindo a desinflação adicional do mundo desenvolvido.

Segundo Campos Neto, do lado dos alimentos, preços devem ficar voláteis em função das alterações climáticas causadas pelo El Niño Foto: Wilton Junior/Estadão

Nesse ponto, ele descartou a possibilidade de a desinflação vir da cena fiscal nos Estados Unidos, que segue “solta”, e tampouco do petróleo, dada a guerra na Ucrânia e o conflito em Israel. Do lado dos alimentos, continuou, os preços devem ficar voláteis em função das alterações climáticas causadas pelo El Niño.

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse hoje que o governo acertou ao manter a meta de inflação em 3%, destacando que as expectativas no mercado sobre o comportamento dos preços melhoraram após a decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN).

Manutenção da meta

Após citar que as metas de inflação no mundo estão ao redor de 2% a 3%, Campos Neto considerou que o Brasil “fez bem” em manter o seu objetivo em 3% nos próximos anos. “Importante destacar que a expectativa de inflação caiu depois da manutenção da meta”, assinalou o presidente do BC.

Publicidade

Ele frisou ainda que os países emergentes estão com maior viés de queda dos juros, pois, no ciclo de aperto, começaram a subir suas taxas antes. Ele salientou que os juros altos por mais tempo frearam o crédito, pressionando assim os preços para baixo.

Mas expôs também a preocupação em relação a uma saída do ciclo de aperto monetário “não tão organizada” em mercados emergentes, na qual a inflação não responde à perda de tração nas economias. “Podemos ter uma saída organizada, mas uma saída também não tão organizada”, alertou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.