Antigas cidades produtoras de carvão recebem dinheiro para fábricas de energia limpa

Projetos destinados a criar empregos em comunidades que dependem de combustíveis fósseis recebem financiamento federal como parte de um pacote de infraestrutura de US$ 1 trilhão

PUBLICIDADE

Por Hiroko Tabuchi

THE NEW YORK TIMES - Em Weirton, Virgínia Ocidental, no coração da região carbonífera, uma empresa fundada por cientistas do MIT planeja construir uma fábrica que produzirá um metal e uma liga essenciais para energia limpa, células de combustível e aço mais limpo.

PUBLICIDADE

Em Vernon, Texas, também uma antiga cidade produtora de carvão, um empresário eólico de terceira geração planeja fabricar turbinas adequadas para locais remotos e rurais.

E em Vandergrift, Pensilvânia, e Louisville, Colorado, um fabricante de janelas planeja reformar fábricas antigas para produzir unidades finas e isoladas que ajudam a tornar os edifícios mais eficientes em termos de energia.

Todos esses projetos estão recebendo financiamento federal destinado a ajudar fabricantes de pequeno e médio porte a trazer empregos de energia limpa para antigas comunidades de carvão, parte de um pacote de infraestrutura de US$ 1 trilhão assinado pelo presidente Biden em 2021. O Departamento de Energia anunciou os projetos na segunda-feira.

Visão de Steubenville, Ohio, que divide a mesma área metropolitana com Weirton, na Virgínia Ocidental; local ainda não se recuperou totalmente da crise econômica de 2008 Foto: Jeff Swensen/The New York Times

O programa é um esforço do governo Biden para obter apoio para sua agenda de redução da dependência americana de carvão, petróleo e gás, os principais fatores do aquecimento global.

Mas ele também aponta para a ampla percepção de que, à medida que o mundo faz a transição para fontes de energia mais limpas, como a eólica e a solar, os trabalhadores dos setores de combustíveis fósseis — bem como as regiões que dependem deles — correm o risco de serem deixados para trás.

Os empregos na mineração de carvão diminuíram vertiginosamente nas últimas décadas, e havia menos de 50 mil mineiros nos Estados Unidos em 2022, metade do número de dez anos atrás, segundo os últimos números da Agência de Informações em Energia.

Publicidade

E esses trabalhadores do setor de energia não têm encontrado empregos na área de energia limpa, apesar do rápido crescimento de setores como o solar e o eólico. Um estudo recente que examinou 130 milhões de perfis de trabalho on-line constatou que, em 2021, menos de 1% de todos os trabalhadores que deixaram empregos como carvão, mineração e petróleo e gás fizeram a transição para empregos “verdes” em energias renováveis.

Os trabalhadores do setor de carvão, em particular, tiveram dificuldades na transição, segundo o estudo. Menos de um quarto de um por cento dos trabalhadores que deixaram um emprego na área de combustíveis fósseis na Virgínia Ocidental passaram para um emprego na área de energia renovável, disse E. Mark Curtis, economista da Wake Forest University que liderou o estudo. A educação foi outro fator: os trabalhadores do setor de combustíveis fósseis sem diploma universitário tinham uma probabilidade significativamente menor de encontrar empregos no setor de energia limpa.

“Em lugares como o Texas ou no meio do país, onde há muita energia solar e eólica, as comunidades de combustíveis fósseis estão relativamente bem posicionadas para aproveitar as vantagens das energias renováveis”, disse Curtis. “As comunidades de carvão geralmente não têm isso, especialmente quando se pensa em Appalachia.”

Ele disse que faz sentido que o financiamento do governo seja direcionado às antigas regiões carboníferas e se concentre em projetos de manufatura, porque os dados mostraram que os antigos trabalhadores do setor de combustíveis fósseis procuram com mais frequência mudar para empregos na área de manufatura. “Acho que esse é um tipo de transição muito viável para muitos desses trabalhadores e comunidades”, disse ele.

PUBLICIDADE

Com o programa de subsídios, os Estados Unidos também estão tentando recuperar mais manufaturas de energia limpa, que a China e outros países passaram a dominar na última década.

O objetivo é “trazer novas oportunidades econômicas e garantir que essas comunidades continuem a desempenhar seu papel fundamental no fortalecimento da segurança nacional e energética dos Estados Unidos”, disse Jennifer M. Granholm, Secretária de Energia dos EUA.

O programa distribuirá US$ 275 milhões para sete projetos em sua rodada inicial, e o D.O.E. disse que espera que seu financiamento seja igualado por cerca de US$ 600 milhões a mais em investimentos privados.

Publicidade

As empresas que estão construindo as novas fábricas disseram que estão ansiosas para aproveitar a experiência local. “O ativo mais valioso para o projeto é uma força de trabalho herdada que desempenhou um papel significativo no setor de metais dos EUA”, disse Tadeu Carneiro, executivo-chefe da Boston Metal, em uma entrevista.

Sua nova fábrica na Virgínia Ocidental espera contratar de 200 a 250 pessoas e fabricará cromo metálico ultrapuro e ligas de alta temperatura, que são materiais essenciais necessários para energia limpa, células de combustível e aço. Atualmente, os fabricantes estrangeiros dominam esses materiais.

O West Virginia Northern Community College, que ensina cerca de 1,6 mil alunos em Weirton, disse em uma carta de apoio ao projeto que estava pronto para criar cursos e estágios para alunos interessados em empregos na Boston Metal.

O projeto proposto, segundo a instituição, “pode ajudar a revitalizar a fabricação de metais na região após décadas de declínio”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.