Publicidade

Publicidade

CMN aprova medida que incentiva mercado de títulos de empresas

Por Agencia Estado
Atualização:

Para estimular o mercado secundário de títulos privados no Brasil, o Conselho Monetário Nacional (CMN) decidiu permitir a livre movimentação de títulos privados em operações compromissadas. Dessa forma, o investidor que comprar um título privado com compromisso de revenda numa determinada data poderá, por exemplo, negociá-lo antes em outra operação. A livre movimentação só podia ser feita até agora em operações compromissadas com títulos do Tesouro Nacional e do Banco Central. O diretor do BC informou ainda que a livre movimentação do título privado só será permitida depois de acordo entre as partes. Será obrigatório também que as operações sejam registradas e liquidadas financeiramente na mesma câmara de liquidação. Darcy disse que adoção da medida foi possível depois da implantação do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB), que deu mais segurança a este tipo de operação. Objetivos Segundo ele, a medida tem por objetivo fortalecer o mercado de capitais. "O objetivo é aumentar a liquidez (facilidade de negociação). O governo tem a preocupação de incentivar o mercado de títulos privados", disse Darcy, que espera um aumento da oferta desses papéis no mercado. Ele lembrou que, com o processo de redução das taxas de juros, o mercado de títulos privados tende a ficar mais competitivo. "Este mercado tem se ampliado no últimos meses", ressaltou ele, acrescentando que aumentou o número de pedidos de registros de emissão de debêntures (títulos privados) na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). O mercado secundário de títulos fortalecido, destacou o diretor do BC, contribui para uma melhor atribuição de preços a estes papéis. Segundo ele, investidores, como fundações de previdência complementar, não se "sentem seguros" de comprar títulos sem um mercado secundário desenvolvido.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.