EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

Acordo sobre depósitos tira BV de nova lista de acionistas da Americanas

Empresa reconhecerá compensações de dívidas feitas por bancos que não forem à Justiça

PUBLICIDADE

Foto do author Matheus Piovesana
Por Matheus Piovesana (Broadcast)
Compensações de empréstimos foram fonte das primeiras disputas judiciais entre a empresa e os bancos, no início de 2023 Foto: Pedro Kirilos/Estadão

A base acionária da Americanas após a capitalização de R$ 24 bilhões que a empresa deve receber não terá todos os bancos credores. Ao menos um deles, o BV (ex-Votorantim), não precisará converter dívidas em ações, porque terá reconhecida pela rede uma compensação de créditos que realizou em janeiro do ano passado, entre a divulgação do rombo contábil que levou a empresa à recuperação e a tutela de emergência, anterior ao processo, que evitou execuções de dívida. Outros bancos, BTG Pactual e Bradesco entre eles, terão o montante de créditos reduzido pelo mesmo motivo.

O BTG fez compensações de R$ 1,2 bilhão, e o BV, do valor total que tinha a receber da rede, à época estimado em R$ 206 milhões. De acordo com fontes, o banco controlado pelo Banco do Brasil e a Votorantim é o único, entre os credores, que compensou todo o crédito. Na prática, isto significa que a Americanas não deve mais nada ao BV, e que deve ao BTG R$ 1,2 bilhão a menos do que informou ao mercado na recuperação judicial.

Compensações levaram à primeira disputa judicial entre bancos e a rede

PUBLICIDADE

Essas compensações foram fonte da primeira disputa judicial entre os bancos e a companhia, no início do ano passado. A Americanas informou o rombo ao mercado no dia 11 de janeiro de 2023, e obteve a tutela no dia 13. Entre as duas datas, o BTG, o BV e outros bancos decretaram o vencimento antecipado de dívidas da companhia, com base no rombo de R$ 20 bilhões que, após as apurações da rede, subiria para mais de R$ 25 bilhões.

Para quitar os créditos, as instituições recorreram a depósitos que a Americanas tinha em cada uma delas. A empresa foi à Justiça, após obter a tutela, para retomar os recursos, alegando que as execuções antecipadas fizeram o caixa minguar, acelerando a crise que a levaria à recuperação judicial.

Bancos terão de conceder crédito à companhia

Os termos do plano aprovado em dezembro afirmam que todas as compensações serão reconhecidas no caso de credores que aderirem ao compromisso de não acionar a empresa judicialmente. Além disso, para cada R$ 1 compensado, os bancos terão de fornecer R$ 1 em linhas de crédito para que a Americanas antecipe recebíveis de cartão ou contrate créditos de fiança.

Publicidade

Após uma negociação difícil com a empresa ao longo do ano passado, as instituições obtiveram outras vitórias. Uma delas foi a própria capitalização de R$ 12 bilhões pelo trio de acionistas de referência, formado por Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira. Outra foi a restrição à venda das ações que passarão a deter: os bancos poderão vender 50% do total no dia seguinte à capitalização, enquanto o trio terá de manter integralmente as posições pelos três anos seguintes.

Este texto foi publicado no Broadcast no dia 09/01/24, às 17h49

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.