EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

Banco passa a oferecer investimento no exterior para clientes Select

Remessa mínima inicial será de US$ 500 mil, mas deve cair para US$ 100 mil

PUBLICIDADE

Foto do author Matheus Piovesana
Por Matheus Piovesana (Broadcast) e Wilian Miron (Broadcast)
Atualização:
Investimento no exterior será oferecido aos clientes Select, segmento de alta renda do banco Foto: Estadão

O Santander Brasil vai abrir para os clientes do Select, seu segmento de alta renda, a possibilidade de investir no exterior. Eles passarão a ter acesso à estrutura do Private Banking do grupo em Miami, nos Estados Unidos, e à assessoria prestada por funcionários. Os primeiros serviços serão para os mais afluentes: a remessa mínima é de US$ 500 mil. Mas a ideia é aumentar o público-alvo ainda este ano, reduzindo o valor para US$ 100 mil.

PUBLICIDADE

O cliente poderá aplicar nas classes de ativos que correspondam a seu perfil de risco e sem proteção cambial (hedge). Nos próximos meses, o banco quer levar essa oferta a um público mais amplo, mas neste caso utilizando uma plataforma de atendimento totalmente digital, dado que a quantidade de potenciais clientes é maior.

“Vamos dar um primeiro passo importante, com uma indicação para que o cliente construa relacionamento com a nossa plataforma internacional. Devemos ter nos próximos meses uma solução digital para levar a patamares mais abaixo”, disse ao Broadcast o diretor de Pessoa Física do Santander, Geraldo Rodrigues Neto.

Opção para público maior

O investimento no exterior sempre foi uma alternativa de diversificação para os clientes do chamado “private”, que têm alguns milhões disponíveis para investir. No entanto, com a entrada de um volume maior de investidores no mercado financeiro brasileiro, plataformas digitais começaram a oferecer essa via para um público maior, atendido nos segmentos de alta renda do varejo dos bancos, caso do Select no Santander.

Em reação a este movimento, bancos brasileiros como o Itaú Unibanco e o Bradesco compraram operações lá fora para conseguir se posicionar. Rodrigues Neto diz que este é um espaço a ser ocupado pelo Santander por ser um conglomerado global e ter estruturas consolidadas de investimento no exterior. “Entregamos solidez de marca, e sendo um banco internacional, damos bastante segurança para o cliente se aventurar nos mercados internacionais.”

Publicidade

No projeto do Santander, o cliente com volumes de US$ 100 mil a US$ 500 mil para investir lá fora terá atendimento apenas digital. A partir de US$ 500 mil, o atendimento será feito por assessores especializados, profissionais brasileiros localizados em Miami.

União de duas estratégias

A ampliação dos investimentos lá fora aos clientes do Select une duas estratégias que o Santander tem adotado no Brasil. Uma delas é a de reforçar as ofertas relacionadas ao exterior, que teve o principal passo em dezembro do ano passado, quando lançou a conta internacional Select Global, que apesar do nome está aberta a todos os clientes. Segundo ele, os resultados têm sido acima do esperado, embora não revele números.

A outra estratégia é a de reforçar a assessoria de investimentos do banco. No chamado AAA, serviço de assessoria para os clientes de alta renda, o Santander chegou a 1.500 profissionais dedicados a atender aos clientes e espera elevar esse número a 2.000 ainda neste ano.


Este texto foi publicado no Broadcast no dia 17/04/24, às 10h10

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Publicidade

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.