PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

Bancos apontam risco e pedem mais prazo para fim de antecipação do FGTS

Ministério do Trabalho quer extinguir modalidade em favor de novo crédito consignado

Foto do author Matheus Piovesana
Por Matheus Piovesana (Broadcast)
Saque-aniversário permite que o trabalhador opte por receber parte do FGTS todos os anos no mês em que faz aniversário Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Os bancos propuseram ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) que espere alguns meses após a implementação do novo crédito consignado para trabalhadores do setor privado antes de extinguir ou não outra modalidade, a antecipação do saque-aniversário do Fundo de Garantia do Tempo de Serviços (FGTS).

PUBLICIDADE

Embora a pasta considere que o novo produto atenderá ao mesmo público que o do FGTS, as instituições financeiras afirmam que a sobreposição entre as bases é pequena, e que não se pode acabar com o consignado do FGTS sem uma avaliação dos efeitos do novo crédito privado sobre as liberações para o segmento, sob risco de reduzir a concessão de crédito no País.

Segundo fontes, o MTE afirmou aos bancos que o novo consignado privado conseguirá cumprir a mesma função da antecipação do saque-aniversário, modalidade que a pasta quer extinguir. Nesta semana, o ministro Luiz Marinho disse que deve enviará ao Congresso um projeto de lei ou medida provisória para extinguir o saque-aniversário e facilitar a contratação do consignado privado.

Instituições querem coexistência de modelos

Embora defendam a modernização das regras do consignado privado, as instituições disseram a Marinho que os dois produtos não atendem ao mesmo público. Os bancos são contrários ao fim do saque e dos empréstimos que usam a modalidade como garantia, e defendem que as duas linhas coexistam, dado que a do FGTS não compromete a renda mensal do trabalhador.

O executivo de um banco, consultado reservadamente, afirma que a sobreposição de públicos é de apenas 20%. Dados levantados pelas instituições apontam que 75% dos tomadores da antecipação do FGTS está “negativada”, e por isso, não conseguiriam um crédito tão barato quanto com o desconto na folha de pagamento.

Publicidade

O saque-aniversário foi formalizado por uma lei de 2019. Permite que o trabalhador opte por receber parte do saldo do FGTS todos os anos no mês em que faz aniversário. Ao solicitar a antecipação, não há limite de quantos saques o trabalhador pode antecipar, e o banco que realiza a operação e comunica à Caixa Econômica Federal, que passa a creditar os valores à instituição até que a operação esteja paga.

Sistema abre espaço para juros menores, dizem entidades

Essa sistemática abre espaço para juros mais baixos. Uma apresentação feita pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e pela Associação Brasileira de Bancos (ABBC) ao MTE, à qual o Broadcast teve acesso, aponta que a taxa de juros média da antecipação é de 1,79% ao mês, enquanto a do consignado privado é de 2,73%.

No consignado privado, o desconto é feito na folha de pagamento, mas há o risco de o trabalhador trocar de emprego ou ser demitido. Este foi um dos pontos que impediu a modalidade de decolar nos últimos 20 anos: no ano passado, foram R$ 18,3 bilhões em concessões, contra R$ 30,3 bilhões da antecipação do FGTS. O outro foi a necessidade de que os bancos firmem convênios com cada empresa, o que o novo consignado tenta resolver. Um executivo afirma, porém, que muitas instituições não pretendem abandonar o modelo de convênios, que permite aos bancos oferecer mais produtos às empresas.

Marinho argumenta que o saque tem retirado do FGTS recursos que poderiam ser utilizados para financiar políticas públicas, como obras de infraestrutura e habitação. Também é contrário ao “pedágio” existente hoje: a lei do saque determina que o trabalhador que adere à modalidade não possa retirar os recursos que tem no fundo quando é demitido sem justa causa. Neste caso, só pode sacar a multa, e precisa aguardar as datas futuras de saque-aniversário para ter acesso ao restante. Procurado, o Ministério do Trabalho não respondeu até a publicação deste texto.

Os bancos defendem que esse pedágio seja extinto, e também que a antecipação do saque seja limitada a cinco anos.

Publicidade

Empresas enviaram sugestões ao governo

De acordo com fontes ouvidas sob anonimato, os bancos enviaram à pasta nesta semana um ofício em que fazem mais sugestões para o novo consignado privado, que poderá ser feito pelo trabalhador através do aplicativo do FGTS e utilizará os dados do eSocial. A principal delas é que o FGTS seja dado como garantia: se o trabalhador for demitido, poderia oferecer ao banco 10% do saldo que tem no fundo e toda a multa paga pelo empregador para pagar a dívida.

PUBLICIDADE

Essa é uma previsão que existe na lei do consignado, de 2003, mas que nunca decolou porque o fluxo operacional necessário não foi regulamentado. A proposta dos bancos é de que essa regulamentação aconteça. De acordo com fontes, essa mudança atenuaria o fato de que o novo modelo não elimina o risco de demissão do trabalhador.

Apesar das discordâncias, nos bastidores, o clima é visto como construtivo. De acordo com uma fonte, Marinho tem buscado dialogar com os bancos, ainda que não tenha mudado de ideia sobre a extinção do saque-aniversário. O mesmo não tem acontecido com o titular da Previdência, Carlos Lupi, que tem defendido a redução do teto de juros de outro consignado, o do Instituto Nacional do Serviço Social (INSS), e que não tem dialogado com as instituições.


Este texto foi publicado no Broadcast no dia 01/03/24, às 21h14

Publicidade

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.