EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

Do Itaim Bibi, gestora RBR quer competir no mercado imobiliário dos EUA

PUBLICIDADE

Foto do author Circe Bonatelli
Por Circe Bonatelli (Broadcast)
Atualização:
Taxa de vacância de edifícios corporativos está num dos maiores patamares já registrados.  Foto: Rafael Arbex / ESTADAO

A gestora de recursos RBR, paulistana do Itaim Bibi, está vendo chances de brigar de maneira competitiva no maior mercado imobiliário do mundo: os Estados Unidos. A companhia vai montar um fundo para financiar obras e a compra de terrenos ou empreendimentos prontos nos States - algo que poucos agentes brasileiros, ou talvez nenhum, conseguiram fazer sistematicamente até agora. O plano inicial é captar o equivalente a cerca de US$ 100 milhões, ao longo do segundo semestre, para o novo fundo.

PUBLICIDADE

Toma lá dá cá. Com a queda na taxa básica de juros (Selic) para os patamares mais baixos da história no Brasil, surgiram brechas para a arbitragem de preços e oferta de crédito para estrangeiros em patamares competitivos com aqueles praticados no mercado lá fora, afirma o fundador e presidente da RBR, Ricardo Almendra (ex-Credit Suisse e ex-Benx Incorporadora).

Time is money. Essa não será a primeira tacada da gestora paulistana no mercado imobiliário americano. A companhia montou em 2018 um instrumento de investimento offshore para a compra, reforma e revenda de 23 prédios residenciais nas regiões de Manhattan e Brooklyn, em Nova York. Foram invesidos US$ 120 milhões, com retorno de 20% em dólar na revenda das primeiras unidades. Uma nova plataforma offshore está sendo colocada de pé agora, para repetir a mesma estratégia. A nova versão já captou US$ 40 milhões de um total de US$ 70 milhões programados.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.