EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

Entidades propõem ao BC modelo para cartões com ‘repactuação total’ de dívidas

Fatura atrasada teria parcelas futuras de compras incluídas na renegociação

PUBLICIDADE

Foto do author Matheus Piovesana
Por Matheus Piovesana (Broadcast)
Propostas foram entregues ao Banco Central em reunião no dia 07 Foto: André Dusek/Estadão

A Associação Brasileira de Internet (Abranet) entregou ao Banco Central uma proposta para a autorregulação do cartão de crédito sem a alteração no parcelado sem juros. A entidade, que inclui nomes como PagBank (ex-PagSeguro) e Mercado Pago, propôs que em casos em que o cliente deixa de pagar a fatura do cartão de crédito, todas as dívidas futuras que ele tenha no cartão, não só as da fatura que atrasou, sejam consolidadas na negociação, o que permitiria uma reorganização financeira mais ampla.

PUBLICIDADE

A Associação Brasileira de Instituições de Pagamentos (Abipag), que representa empresas como Stone, Ebanx e Dock, endossou a proposta, e propôs também um modelo para a portabilidade das dívidas do cartão de crédito.

As propostas foram entregues ao BC no começo do mês. A chamada consolidação da dívida funcionaria da seguinte forma: um cliente que atrase a fatura do cartão e decida parcelar o valor devido teria incluídas na renegociação as parcelas futuras de compras que tenha dividido sem juros. Ou seja, sobre essa fatia do endividamento, passaria a incidir juros.

Para a Abranet, todos sairiam ganhando

Pela proposta, a taxa seria limitada ao teto de 100% do valor original, estabelecido pelo Congresso em outubro. O teto passará a valer caso o setor não apresente uma proposta de autorregulação, de acordo com o projeto de lei aprovado pelos parlamentares. A Abranet afirmou ao BC que todas as partes envolvidas – os clientes, os lojistas, as maquininhas e os emissores – sairiam ganhando com desenho que propôs.

A renegociação ocorreria ao final de um ciclo no rotativo, ou seja, de um mês. Neste período, a taxa respeitaria o teto de 100%. Se não conseguir pagar a fatura neste ciclo, o cliente faria a renegociação com um parcelamento em 12 vezes. Ele poderia fazer o pagamento antecipado deste parcelamento a qualquer momento, descontados os juros futuros. Antes de encerrado o ciclo do rotativo, também poderia optar pelo parcelamento atual, que só inclui as dívidas da fatura que atrasou.

Publicidade

A diretora da Abranet, Carol Conway, afirma que a ideia foi buscar um consenso em torno do tema. A proposta foi trazida à mesa por agentes como o PicPay em meados deste ano, e ganhou adesões desde então. Na reunião do BC com os agentes do setor no dia 07, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) mostrou simpatia pela ideia, mas sugeriu atrelá-la a uma redução do parcelado sem juros, que a Abranet tenta evitar.

Ao regulador, a entidade argumentou que com a repactuação total das dívidas, seria possível manter a oferta do parcelado sem juros, evitando o impacto econômico das restrições à ferramenta. Os bancos defendem restrições ao parcelado alegando que o instrumento é deficitário, e que é financiado de forma cruzada pelos juros cobrados no rotativo. Fintechs e as associações ligadas a maquininhas que não pertencem a bancos rechaçam essa visão.


Este texto foi publicado no Broadcast no dia 27/11/23, às 17h47

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.