EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

‘Nova’ mineradora da Vale já nascerá entre as dez mais valiosas do mundo

Vale Base Metals pode alcançar valor de mercado de US$ 40 bilhões

PUBLICIDADE

Foto do author Altamiro Silva Junior
Foto do author Aline Bronzati
Por Altamiro Silva Junior, Juliana Garçon e Aline Bronzati
Atualização:
Vale está perto de vender em torno de 10% do negócio, responsável pela extração de cobre e níquel Foto: FABIO MOTTA/ESTADÃO

A Vale Base Metals, a nova empresa que a companhia brasileira está criando, pode em pouco tempo ser uma das dez maiores mineradoras do mundo, considerando o ranking global em valor de mercado. A Vale já recebeu ofertas não vinculantes e está perto de vender em torno de 10% do negócio, responsável pela extração de cobre e níquel, os metais da transição energética e dos carros elétricos, e que podem levar a nova unidade a valer US$ 40 bilhões.

Esse número é a metade do que a própria Vale tem de valor de mercado em Nova York, quase o dobro da gigante ArcelorMittal (US$ 23 bilhões) e não muito distante de outras grandes mineradoras do mundo, como Anglo American (US$ 51 bilhões), Glencore (US$ 85 bilhões) e Rio Tinto (US$ 118 bilhões). O CEO da Vale, Eduardo Bartolomeo acredita que a nova empresa pode ficar do tamanho da própria Vale.

Arcelor teria interesse em ser sócia

Nos bastidores, comenta-se que a Arcelor estaria interessada em ser sócia da nova companhia da Vale e até já manifestou a intenção a interlocutores do governo. Segundo fontes, o prazo para receber as propostas não vinculantes terminou em novembro. Após oferecer a companhia a grandes investidores mundo afora, incluindo fundos soberanos no Oriente Médio, mineradoras e traders no Japão, a Vale está mais inclinada a ter um sócio estratégico, e não só financeiro, que agregue experiência para dar escala e destravar o valor da unidade.

Unidade demandará US$ 20 bi em investimentos

PUBLICIDADE

A empresa estima precisar de investimentos de US$ 20 bilhões na nova unidade e promete revelar o nome do novo sócio até o fim do primeiro semestre de 2023. “Não há um negócio dessa escala no mundo hoje, combinando níquel e cobre”, disse o diretor financeiro da Vale, Gustavo Pimenta, em apresentação para investidores, em Nova York.

Apesar do potencial futuro, devido ao crescente interesse pelos chamados “metais verdes” que serão mais demandados na transição energética em curso no mundo, a unidade ainda tem presente incerto. A última atualização das projeções da Vale reduziu a estimativa de produção de níquel, de 180 mil toneladas deste ano para faixa de 160 mil a 175 mil no ano que vem. O níquel é matéria-prima básica para as baterias de carros elétricos, e a Vale já fechou dois grandes contratos com as norte-americanas Tesla e General Motors para o fornecimento do metal.

Publicidade

Um dos sinais da importância que a nova unidade está ganhando dentro da Vale foi a recepção da vice-presidente de Metais Básicos, Deshnee Naidoo, no Vale Day, em Nova York, no começo do mês. Ela atraiu a atenção da audiência e anunciou a entrega da expansão da operação de Salobo, a maior operação de cobre da Vale, no Pará, que deve alcançar plena capacidade no quarto trimestre de 2024.

De olho em valorização, Cosan fez aposta bilionária na mineradora

“Todo projeto tem de ter um dono. Quando você tem um projeto que não tem um dono, ele dispersa porque tem muita coisa grande”, comentou em Nova York o presidente do conselho de administração da Cosan, Rubens Ometto, ao falar da decisão da Vale de separar a unidade em uma nova empresa. A Vale Base Metals terá comando separado e governança própria, com sede provavelmente no Canadá.

Ometto fez uma aposta bilionária na Vale em outubro, ao comprar até 6,5% do capital da mineradora por R$ 22 bilhões, já mirando o ganho de valor que a companhia brasileira pode ter, principalmente quando se considera que é negociada na bolsa com preços descontados em relação a seus pares internacionais. Segundo uma fonte, o múltiplo das ações da Vale é a metade de seus pares, em média, quando se consideram os lucros estimados.


Esta nota foi publicada no Broadcast no dia 14/12/2022, às 20h19

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Publicidade

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.