PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

Pedidos de falência aumentam com piora da pandemia, diz Serasa Experian

Foto do author Cynthia Decloedt
Por Cynthia Decloedt (Broadcast)
Atualização:
Pedidos de falência crescem. Foto: Nilton Fukuda/Estadão

O número de pedidos de falência subiu em março, invertendo tendência de queda registrada desde fevereiro do ano passado nos comparativos anuais do levantamento do Serasa Experian. A alta foi de 58,3% em comparação ao mesmo mês de 2020, para 95 registros. Em relação a fevereiro, houve avanço de 13,1%. O setor de serviços puxou esse aumento, com um incremento de 96,6% no número de falências requeridas contra março do ano passado, para 57; enquanto na indústria a alta foi de 46,7% para 22. O comércio ficou praticamente estável, com 15 pedidos de falência.

PUBLICIDADE

Os números são uma clara indicação do efeito do agravamento da pandemia do novo coronavírus no País, que tem reduzido à circulação de pessoas e imposto o isolamento em várias cidades e estados. Os programas de auxílio-emergencial e as medidas de apoio a empresas vinham sustentado os negócios , que a partir de março começaram a ter de pagar a fatura dos empréstimos. Para o economista do Serasa Experian, Luiz Rabi, o dado acompanha o aumento da inadimplência.

Os pedidos de recuperação judicial seguem, no entanto, em queda. Em março, o número foi 4,3% inferior ao registrado no mesmo mês do ano passado. A expectativa de especialistas em reestruturação de empresas é de que os registros cresçam até o meio do ano, já que muitas companhias ainda tentam o ultimo suspiro antes de precisar dessa alternativa.

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 09/04, às 14h54.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Publicidade

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.