PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

Petrobras vai captar R$ 3 bi no mercado local nesta semana

Foto do author Cynthia Decloedt
Por Cynthia Decloedt (Broadcast)
Atualização:
Petroleira tem recomprado títulos de dívida emitidos no exterior  Foto: Paulo Whitaker/Reuters

A Petrobras vai aproveitar o grande interesse de fundos e investidores locais para levantar R$ 3 bilhões em notas comerciais nesta semana, em uma operação coordenada pelo Bradesco. As notas comerciais ganharam novo arcabouço regulatório no ano passado, que as tornaram mais simples do que as debêntures para as empresas emissoras. Este ano, as companhias já levantaram mais de R$ 36 bilhões com o instrumento. Por muitos anos, a Petrobras acessou o mercado de dívida externa para captações maiores, mas o direcionamento mudou nas gestões no atual governo e a petroleira tem buscado recursos no mercado local. No exterior, ao contrário, a petroleira tem recomprado títulos de dívida (bonds) emitidos no passado.

PUBLICIDADE

Remuneração será de CIDI até mais 1,90%

A petroleira informou na sexta-feira (19)  que vai emitir as notas comerciais em duas séries, com vencimento em 2030 e 2032. A remuneração proposta pela Petrobras para as notas que vencem em 7,5 anos é equivalente ao CDI mais um prêmio de 1,65% e para as notas de 10 anos, CDI mais 1,90% de prêmio.

Empresa já recomprou US$ 3 bi em bonds este ano

Os recursos levantados não serão usados para financiar uma nova recompra. Com essa prática, a estatal já reduziu sua dívida em mais de R$ 30 bilhões desde 2015. Apenas este ano, a Petrobras já recomprou perto de US$ 3 bilhões em bonds. Procurada, a empresa não se manifestou até a publicação desta nota.

Publicidade

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 19/08/2022, às 16h47.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.