EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

Sequoia prepara oferta de ações de até R$ 150 milhões para financiar fusão

União com Move3 vai criar gigante do setor de logística

PUBLICIDADE

Por Ana Rita Cunha
Nova empresa terá receita líquida de R$ 2,4 bilhões e cobertura de entrega em 5.030 cidades Foto: Sequoia/Divulgação

A empresa de logística Sequoia prepara uma oferta subsequente de ações (follow on) de R$ 100 milhões a R$ 150 milhões para financiar a fusão com o grupo Move3, segundo fontes do mercado afirmaram ao Broadcast. A combinação entre os dois grupos foi anunciada na terça-feira, 02, poucos dias após a Sequoia reestruturar sua dívida, e deve dar origem a uma gigante nacional de entregas. A nova empresa vem sendo comparada à americana FedEx.

PUBLICIDADE

A oferta de ações permitiria que a Sequoia financiasse a fusão sem aumentar o endividamento. Uma das garantidoras da oferta, segundo fontes, seria a gestora de ativos Jive Investments, maior acionista da Sequoia.

Procurado, o presidente do conselho de administração da Sequoia, Eric Fonseca, afirmou que a companhia analisa todas as possibilidades de financiamento disponíveis.

Empresa vai pagar R$ 50 milhões a novos parceiros

Parte do valor do follow on seria para pagar os acionistas da Move3. Na quarta-feira, 03, a Sequoia informou ao mercado que, na fusão, os controladores do Move3 receberão ao menos R$ 50 milhões e mais uma parcela que corresponde a 26,8 milhões de ações da nova companhia.

A operação com a Move3 ainda precisa da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), mas Fonseca afirmou ao Broadcast que espera não haver problemas devido à grande fragmentação do mercado.

Publicidade

Enquanto as empresas aguardam autorização para a operação, o processo de due diligence (auditoria) para a fusão segue ocorrendo. “Esperamos concluir a transação até o primeiro trimestre e a integração operacional ainda no primeiro semestre deste ano”, explicou Fonseca.

Planos para 2024 são de otimização de custos e crescimento orgânico

Focada na conclusão da fusão, o plano da nova empresa em 2024 é de otimização de custos, desalavancagem e crescimento orgânico. A partir de 2025, pode voltar a olhar o mercado atrás de oportunidades, segundo o presidente do conselho de administração.

“2024 será um ano de integração, juntando a automação e a eficiência de custos da Move3, com o volume e acesso ao mercado da Sequoia para oferecer um produto melhor”, disse Fonseca. Segundo ele, a fusão despertou interesse positivo no mercado e a empresa foi procurada ontem, 03, pelos principais players de e-commerce. As ações da companhia subiram mais de 70% na semana.

A previsão é que a nova empresa tenha endividamento em torno de 1x o Ebtida (indicador de geração de caixa) e não há previsão de emissão de dívidas no curto prazo após a conclusão da fusão. “Depois do que passamos no ano passado, a dívida virou palavrão na Sequoia”, brincou Fonseca. A meta após a fusão é que o endividamento não ultrapasse 1,5x o Ebtida.

Dívida reestruturada

A Sequoia trocou a maior parte da dívida por instrumentos conversíveis mandatoriamente em ações e cerca de R$ 165 milhões tiveram o prazo de vencimento alongado de 5 a 8 anos. Ao final de 2024 (com a conclusão da conversão de dívidas em ações), a empresa estima que terá endividamento abaixo de 1x Ebtida. Já o Grupo Move3 tem endividamento em torno de 1x Ebtida.

Publicidade

A Sequoia e a Move3 assinaram na terça-feira um memorando de entendimento para unir a operação das duas empresas de logística. A previsão é que a nova empresa tenha receita líquida de mais de R$ 2,4 bilhões, com quase mil unidades operacionais e uma cobertura de entrega em 5.030 cidades, menor apenas do que a dos Correios.

Segundo o comunicado da Sequoia à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a operação envolve uma troca de ações em que os acionistas da Sequoia terão 60% da nova empresa e os da Move3 ficarão com os 40% restantes. Na fusão, a família Juliani, controladora do Move3, será a maior acionista individual da nova empresa, mas nenhum acionista deterá sozinho o controle da companhia.


Este texto foi publicado no Broadcast no dia 04/01/24, às 10h05

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.