EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

UnitedHealth, dona da Amil, decide ficar sem CEO no Brasil

PUBLICIDADE

Foto do author Cynthia Decloedt
Foto do author Altamiro Silva Junior
Por Cynthia Decloedt (Broadcast) e Altamiro Silva Junior (Broadcast)
Atualização:
Sede da Amil, controlada pela UnitedHealth Group    Foto: REUTERS/Ricardo Moraes

A americana UnitedHealth Group, dona da Amil no Brasil, não terá mais presidente localmente, mas mantém interesse em ficar no País. O CEO atual no mercado brasileiro, José Carlos Magalhães, está se aposentando, após 38 anos no grupo de saúde. Com a saída, não haverá um substituto e os responsáveis das unidades Amil, Amil Cuidados Integrados, Planos Individuais, Amil Dental e Americas passam a se reportar diretamente à CEO da UnitedHealthcare Global, Mary Murley.

PUBLICIDADE

Empresa fracassou em duas tentativas de vender carteira da Amil

Em 2022, a UnitedHealth completa 10 anos no País e, no último ano, fracassou em duas tentativas de vender a carteira da Amil de 337 mil planos individuais. Depois disso, os comentários eram de que a empresa tentaria a venda de toda a operação, incluindo a carteira de segurados e a rede hospitalar, e sair do Brasil. Os potenciais interessados seriam o Bradesco Seguros e a Dasa, que pertence à família Bueno (fundadora da Amil).

Para rebater tais rumores, Murley afirmou em nota que o grupo é um investidor de longo prazo no Brasil: "Nossa prioridade continua a mesma: assegurar que beneficiários e pacientes tenham acesso à saúde - médica e odontológica - de qualidade". Mas o fato é que a United Health vem reestruturando sua operação no Brasil desde o fim de 2020, quando mudou a sua gestão.

 

Publicidade

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 04/10/2022, às 16h36

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.