Publicidade

Stanley enfrenta processos judiciais nos Estados Unidos por presença de chumbo em seus copos

Três ações foram ajuizadas contra a empresa, segundo reportagem da Forbes; Stanley afirma que o chumbo não está presente na superfície do copo e que não entra em contato com o consumidor

Foto do author Redação
Por Redação

A empresa da marca de copos Stanley está enfrentando processos judiciais nos Estados Unidos depois de revelar, em janeiro deste ano, que seus copos usam um material de vedação que contém chumbo, segundo reportagem da Forbes. A empresa afirma que o chumbo não está presente na superfície do copo e que não entra em contato com o consumidor ou com o conteúdo do copo.

Duas ações coletivas contra a Pacific Market International, a empresa-mãe da Stanley, foram ajuizadas em um tribunal federal de Washington, segundo a reportagem, Uma terceira ação coletiva de residentes da Califórnia foi ajuizada no tribunal superior do condado de Los Angeles no início de fevereiro, aponta a Forbes.

A Stanley afirma que o chumbo não está presente na superfície do copo e que não entra em contato com o consumidor ou com o conteúdo do copo.  Foto: Calla Kessler/The New York Times

PUBLICIDADE

As ações judiciais alegam que a Pacific Market International enganou os consumidores ao não divulgar a presença de chumbo em seu copo. Os clientes dizem que não teriam comprado os copos se soubessem da informação anteriormente.

A presença do chumbo foi tema nas redes sociais nas últimas semanas. Vários posts amplamente compartilhados no TikTok, Instagram, Reddit e X mostravam preocupações de que os copos Stanley poderiam conter chumbo. Um vídeo do TikTok sobre o assunto foi visto quase sete milhões de vezes.

Efeitos à saúde associados ao chumbo

Especialistas em saúde disseram a meios de comunicação que duvidavam que houvesse algum risco real em beber nos copos. Jack Caravanos, professor de saúde pública da Universidade de Nova York, disse ao New York Times em janeiro que ele fez extensos testes no copo e não encontrou evidências de que o chumbo estivesse presente, e ele observou que não conseguiu abrir intencionalmente a base do copo, sugerindo que a exposição ao chumbo lá dentro é improvável. Depois que a garrafa é selada, a Stanley disse que a área é coberta com uma camada de aço inoxidável, o que, segundo a empresa, torna o chumbo “inacessível aos consumidores”.

“Há muitos lugares onde o chumbo pode estar em um copo desses”, disse o dr. Caravanos. “Pode estar dentro, fora, nos rótulos, adesivos. E, eu não encontrei chumbo - um chumbo superficial - na superfície em nenhuma parte do copo.” Dr. Caravanos disse que os testes de chumbo caseiros disponíveis no mercado hoje não são considerados confiáveis - e nenhum deles é aprovado pela Agência de Proteção Ambiental.

Ainda que o chumbo não entre em contato com o consumidor, Caravanos disse ficar desapontado que uma empresa como essa utilize o material reconhecidamente tóxico. Em um comunicado à NBC News, um representante da empresa disse: “Nossas equipes de engenharia e cadeia de suprimentos estão fazendo progressos em materiais inovadores e alternativos para uso no processo de vedação”.

Publicidade

O chumbo, que é regulamentado pelo governo federal americano, ainda é prevalente nos Estados Unidos, principalmente em tintas, utensílios de cozinha e água que passa por canos de chumbo.

“Existem muitos efeitos à saúde associados à exposição ao chumbo, como toxicidade reprodutiva, doença cardiovascular”, disse Maria Jose Talayero, pesquisadora de saúde pública da Universidade George Washington. “E o que eu estudo mais é o dano ao sistema nervoso, que resulta em uma variedade de efeitos neurológicos.”

Ela acrescentou: “Mas é um fato que outras canecas e outros fabricantes não usam chumbo, então por que tê-lo lá em primeiro lugar?”/Com informações de The New York Times

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.