Defesa de Josué Gomes diz que ‘não faltam argumentos’ para questionar a destituição da Fiesp

Miguel Reale Jr. chamou de ‘golpe com letras garrafais” a decisão da assembleia que votou por tirar o executivo do comando da instituição

PUBLICIDADE

Foto do author Luiz Guilherme  Gerbelli
Por Luiz Guilherme Gerbelli
Atualização:

O advogado Miguel Reale Júnior chamou nesta terça-feira, 17, de “golpe” com “letras garrafais” a decisão de destituir o empresário Josué Gomes da presidência da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Ele também a afirmou que “não faltam” argumentos para que o executivo questione na Justiça a assembleia que votou por definir o seu futuro na entidade.

De acordo com Reale Jr., um dos advogados de Josué, a decisão sobre qual caminho a defesa deve adotar será definida até o fim desta semana.

MIGUEL REALE JUNIOR. FOTO: IARA MORSELLI/ESTADÃO Foto: IARA MORSELLI/ESTADÃO

“Argumentos não faltam. Pode-se requerer o reconhecimento da nulidade de assembleia por violação das normas dos estatutos, por ausência de acusação, por não preenchimento das condições estabelecidas no estatuto para a destituição, por quebra do devido processo legal”, afirmou.

PUBLICIDADE

Na segunda-feira, 16, a destituição de Josué do comando da Fiesp foi aprovada por 47 votos a 1. O empresário não participou da assembleia que votou por definir o seu futuro na entidade. O encontro foi convocado por sindicatos que não estão de acordo com a gestão do executivo.

Josué conduziu uma assembleia anterior, convocada por ele, para explicar vários pontos da sua gestão, como o manifesto em favor da democracia divulgado pela Fiesp em agosto do ano passado. Ao fim, deixou o encontro e foi acompanhado por aliados.

“Depois da reunião oficial, fizeram uma nova reunião, sem uma acusação específica que case com as hipóteses de destituição”, disse Reale Jr. “Eles abriram uma reunião clandestina para fazer a destituição, porque querem fazer a destituição. Isso em letras garrafais chama-se golpe.”

Ex-ministro do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, Reale Jr. foi um dos autores do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Em 2022, declarou voto em Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.