Publicidade

Publicidade

Denúncia de informação privilegiada abala a EADS

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A EADS, dona da fabricante de aviões Airbus, sofreu ontem mais um duro golpe com a revelação de que membros da diretoria fizeram uso de informações privilegiadas para ganhar dinheiro na Bolsa de Valores. Segundo relatório divulgado pela Autorité des Marchés Financiers (AFM, o equivalente à CVM no Brasil), entre essas pessoas estão 22 membros da alta diretoria da EADS, como os ex-presidentes Noel Forgeard e Thomas Enders. Além disso, empresários como o alemão Jürge Bischoff, da Daimler-Chrysler, e o francês Arnauld Lagardère, do grupo Lagardère, acionistas da EADS, também teriam se beneficiado. Segundo as autoridades francesas, esse grupo - que, na verdade, chega a 1,2 mil pessoas - sabia, desde 2005, quando as ações da empresa atingiram um preço especialmente alto, que o projeto do superjumbo A380 iria sofrer atrasos, o que derrubaria os papéis. Antes que essas informações fossem divulgadas, esse grupo vendeu cerca de 10 milhões de ações. No total, o lucro foi de cerca de 90 milhões. O atual presidente da EADS, Louis Gallois, evitou se pronunciar sobre o escândalo. ''''Confiamos na Justiça de nosso país e não comentamos suas decisões. Prefiro falar dos pedidos do A380 feitos pela British Airways que do crime de obter informação privilegiada'''', disse ontem, antes de participar de um ato público.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.