Publicidade

Depois da ata do Copom, dólar comercial em alta

Por Agencia Estado
Atualização:

O mercado amanheceu de olho nas telas de notícias, aguardando a divulgação da ata da última reunião do Copom . Depois de terem reagido com mau humor à decisão do Copom de manter a Selic em 16,5%, os analistas assumiram um discurso cauteloso ontem, quando repararam que os núcleos de inflação dos índices parciais de janeiro registravam continuidade no processo de aceleração de alta de preços. E é justamente para isso que a ata do Copom chama a atenção. O documento destaca que o aumento da inflação pode não ser sazonal, informa que o IPCA subiu acima do esperado, ressalta que os índices de janeiro não indicam arrefecimento e arremata que os núcleos mostram que a aceleração não é apenas sazonal. Segundo a ata, a parcela dos ítens com aumento subiu de 57% para 64,8% em dezembro. Mesmo assim, o documento afirma que a cautela assumida pelo Copom não implica em risco para a recuperação da atividade em curso e segue justificando essa afirmativa com várias informações. É essa declaração do Copom de que a retomada da atividade econômica não será afetada pela cautela da política monetária, que será avaliada pelo mercado para definir os negócios nesta quinta-feira e nos próximos dias. Afinal, foi o temor de que a manutenção da Selic significasse uma deterioração das estimativas otimistas para 2004 que detonou o mau humor pós-Copom. O dólar abriu em alta de 0,62%, cotado a R$ 2,914. O ímpeto de alta cedeu um pouco e, às 10h59, o dólar estava a R$ 2,908, alta de 0,41%. Veja a cotação do dólar.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.